Elipse

Leia a seguinte afirmação, extraída da obra de Autran Dourado:

“A praia deserta, ninguém àquela hora na rua”.

Observe que após o vocábulo “ninguém”, está implícito o verbo estava. Ele não aparece na afirmação, mas podemos notar sua ausência pelo contexto. Por isso dizemos que aqui ocorreu elipse do verbo estava.

Veja esta outra sentença:

“No fim da festa, sobre as mesas, copos e garrafas vazias”.

Nesta frase, podemos identificar facilmente a ausência do verbo haver (No fim da festa havia, sobre as mesas, copos e garrafas vazias). Portanto, podemos afirmar que, neste caso, também ocorreu elipse do verbo haver.

Elipse é a figura de linguagem que consiste em omitir um termo da frase que não foi enunciado anteriormente na frase, mas podemos facilmente identificá-lo pelo contexto.

Outros exemplos:

“Na casa vazia, nenhum sinal de vida” - elipse da expressão “não havia”.

“A tarde talvez fosse azul,
não houvesse tantos desejos” (Carlos Drummond de Andrade) – elipse da conjunção “se”, antes de “não”.

Fontes
SAVIOLE, Francisco Platão. Gramática em 44 lições. 15 ed. São Paulo, Ática, 405.
TUFANO, Douglas. Estudos de Língua Portuguesa – Minigramática. São Paulo, Moderna, 2007.

Arquivado em: Linguística, Português