Objeto direto

Mestra em Letras e Linguística (UFG, 2016)
Licenciada em Letras-Português (UFG, 2009)

Ouça este artigo:

O Objeto Direto é um termo integrante das orações, o qual vincula-se aos sentidos dos Verbos Transitivos Diretos. Trata-se de um tipo de Complemento Verbal que integra-se ao sentidos dos Verbos de maneira direta, sem a mediação de outra palavra.

Veja o exemplo:

Maria Cristina fez acarajé.

Sujeito VTD Objeto Direto

Observe que o Verbo “fazer” necessita de um complemento para ampliar seu sentido, pois quem faz, faz alguma coisa. A omissão do complemento “acarajé” torna a oração semanticamente incompleta.

Nesta oração, o Verbo “fazer” é Transitivo Direto (VTD) e está vinculado ao complemento diretamente, ao contrário do Objeto Indireto, que também é um tipo de complemento Verbal, mas que integra-se aos Verbos Transitivos Indiretos através de uma Preposição. Observe a diferença a partir do exemplo a seguir:

Frederico gosta de pamonha.

O Verbo “gostar” é Transitivo Indireto (VTI), necessita de um termo que complemente seu sentido: quem gosta, gosta de alguma coisa. Este complemento é ligado ao VTI pela mediação da Preposição “de”.

Observe que, caso a oração estivesse organizada sem a presença do Objeto Indireto, ela também seria semanticamente incompleta. Isso porque transitividade verbal está relacionada aos Termos Integrantes os quais exercem função sintática indispensável para a produção de sentidos dos enunciados verbais, falados ou escritos.

Alguns termos estão relacionados à complementação de sentidos dos Verbos, que são Objeto Direto e Objeto Indireto, outros são estão relacionados à complementação de sentidos dos Nomes, como o Complemento Nominal e o Agente da Passiva.

Tipos de Objetos Diretos

Existem dois tipos de Objetos Diretos: Objeto Indireto Pleonástico e Objeto Direto Preposicionado.

Objeto Direto Pleonástico

O Objeto Direto Pleonástico ocorre quando o Objeto Direto é retomado na mesma oração por um Pronome Oblíquo.

A denominação “Pleonástico” vem da palavra “Pleonasmo”, que significa a repetição de uma informação já mencionada em um mesmo enunciado, como em “subir para cima”, “entrar para dentro”, “viver a vida” etc. Assim, o Pleonasmo pode ser um equívoco de construção linguística ou pode ser utilizado de maneira intencional enquanto Figura de Linguagem, categorizada como Figura de Construção ou Figura de Sintaxe. Este tipo de figurativização da linguagem corrobora com a construção de sentidos de textos multissemióticos, literários, poéticos.

Quando falamos que o Objeto Direto é retomado na mesma oração por um Pronome Oblíquo, significa que esta repetição/retomada pode ser representada por:

Pronomes Pessoais
do Caso Reto
Pronomes Oblíquos
Tônicos
Pronomes Oblíquos
Átonos
eu mim, comigo me
tu ti, contigo te
ele/ela/você se, o , a, lhe o, a, lhe
nós nos nos
vós vos vos
eles/elas/vocês se, os, as, lhes os, as, lhes

Leia os exemplos para observar o Objeto Direto Pleonástico:

  • Aquelas crianças, eu as encontrei na rua de cima.
  • Aos meus irmãos, lhes faltaram sabedoria.
  • Os carimbos, ele os comprou na papelaria do Centro.

Objeto Direto Preposicionado

O Objeto Direto Preposicionado ocorre quando o Objeto Direto integra-se ao Verbo Transitivo Direto (VTD) por meio de uma Preposição. Veja a seguir os casos em que isto pode ocorrer:

1. Quando o Objeto de determinados VTD é representado por um dos Pronomes Pessoais Tônicos, como: mim, ti, ele, eles, ela, elas.

Exemplo:

Se disseres mais uma palavra, corres o risco de ofenderes a mim.

2. Quando o Objeto de determinados VTD é o nome de Deus.

Exemplo:

É necessário que todos louvem a Deus.

3. Quando o Objeto Direto é um Pronome Substantivo Demonstrativo Indefinido ou Interrogativo.

Exemplos:

Evito mais a este.

O cliente ofendeu a todos.

A quem ouves?

4. Quando é possível solucionar uma ambiguidade (duplo sentido).

Exemplo:

Nos Jogos Olímpicos, dominaram aos estadunidenses os chineses.

Referência:

ABURRE, Maria Luiza M. Gramática: texto: análise e construção de sentido. Volume único. 2. ed. São Paulo: Moderna, 2010. p. 106, 396, 397, 398.

Arquivado em: Português