Gramática Normativa

Por Ana Paula de Araújo
A gramática normativa é aquela que prescreve as regras, normas gramaticais de uma língua. Ela admite apenas uma forma correta para a realização da língua, tratando as variações como erros gramaticais. Atualmente é muito criticada pelos gramáticos, pois já se admitem outras gramáticas como a descritiva, a gerativa, etc.

A Gramática Normativa toma como base as regras gramaticais tradicionais e o  uso da língua por dialetos de prestígio como por exemplo obras literárias consagradas, textos científicos, discursos formais, etc. As variedades linguísticas faladas são tratadas como desvio da norma até que sejam dicionarizadas e oficialmente acrescentadas às regras gramaticais daquela língua.

Estuda a Fonologia através da ortoépia (estudo da pronúncia correta dos vocábulos), da prosódia (determinação da sílaba tônica) e da ortografia (representação correta da língua escrita)

Na Morfologia estuda a forma dos vocábulos, as classes de palavras e as classes gramaticais.

Por fim, na Sintaxe estuda a relação entre as palavras de uma oração ou relação entre as orações de um período a partir de regras pré-determinadas com relação à concordância, à regência e à colocação pronominal.

Conceito e divisões

A Gramática Normativa é uma disciplina e tem por finalidade codificar o uso do idioma, induzindo as normas que representam o ideal da expressão correta. Estes escritores optam por utilizar a linguagem corente, aquela que está dentro dos padrões da norma culta. As regras da gramática normativa são fundamentadas nas obras dos grandes escritores, onde é colocado um ideal de perfeição da língua como se não houvessem variações de pessoa para pessoa, dependendo do meio e do contexto. É nela que se espelha o uso idiomático que se consagrou.

LIMA refere-se àqueles escritores de linguagem corrente, estilizada dentro dos padrões da norma culta. Escritores regionalistas acentuadamente típicos, experimentalistas por admiráveis que possam ser, mas não são utilizados como exemplo para este tipo de gramática, pois ela não considera o desvio da norma como parte de seu estudo e de suas análises, mas somente os textos que obedecem à norma padrão da língua.

A gramática normativa tem a função de estabelecer regras para o uso da língua, sendo, então, a mais usada em salas de aula como forma de padronizar a utilização da língua materna.

Fontes:
ROCHA LIMA, Carlos Henrique da. 1915-1991. Gramática Normativa da língua portuguesa. - 45ª edição - Rio de Janeiro: José Olympio, 2006.

http://www.partes.com.br/educacao/gramaticanormativa.asp