Colocação pronominal

Mestre em Ciências Humanas (CEFETRJ, 2014)
Especialista em Linguística, Letras e Artes (CEFETRJ, 2013)
Graduada em Letras - Literatura e Língua Portuguesa (UFRJ, 2011)

Os pronomes oblíquos átonos me, te, se, o, a, lhe, os, as, lhes, nos e vos, como todos os outros monossílabos átonos, apoiam-se na tonicidade de alguma palavra próxima. Assim, esses pronomes podem ocupar três posições distintas na frase:

Antes do verbo – PRÓCLISE (dizemos que o pronome está proclítico)

“Não me abandone, não me carregue para o buraco”

No meio do verbo – MESÓCLISE (dizemos que o pronome está mesoclítico)

“Meu nome, dir-lhes-ei a seu tempo”

Após o verbo – ÊNCLISE (dizemos que o pronome está enclítico)

“Suporta-se com paciência a dor do próximo”.

Apresentamos, a seguir, algumas orientações acerca da colocação pronominal.

Próclise

A próclise ocorre geralmente em orações em que antes do verbo haja:

Palavra de sentido negativo (não, nada. Nunca, ninguém etc.):

Nunca me convidam para as festas.

Conjunção subordinativa:

Quando te encarei de frente a frente não vi o meu rosto.

Advérbio:

Assim se resolvem os problemas

Caso haja pausa depois do advérbio (marcada na escrita por vírgula), ocorrerá a ênclise.

Assim, resolvam-se os problemas.

Pronome indefinido:

Tudo se acaba na vida

Pronome relativo:

Não encontrei o caminho que me indicaram.

Com verbo no gerúndio precedido de preposição em:

Em se tratando de previsões, qualquer afirmação otimista será arriscada.

Com verbo no infinitivo pessoal (flexionado ou não) precedido de preposição:

Vocês serão castigados por me faltarem ao respeito.

Ocorre também a próclise nas orações iniciadas por palavras interrogativas e exclamativas e nas orações optativas (orações que exprimem um desejo):

Quem te disse que ele não viria? (oração iniciada por palavra interrogativa)

Quando me custa dizer a verdade! (oração iniciada por palavra exclamativa)

Deus te proteja. (oração optativa)

Mesóclise

A mesóclise só poderá ocorrer com verbos no futuro do presente ou no futuro do pretérito, desde que não haja algum fator de próclise.

Convidar-me-ão para a festividade de estréia da nova série televisiva.

Convidar-te-ia para viajar comigo, caso fosse possível.

Caso o verbo no futuro do presente ou no futuro do pretérito do indicativo venha precedido por pronome pessoal reto, ou de alguma palavra que exija a próclise, está será de rigor.

Eles me convidarão para a festividade de estreia da nova série televisiva.

Não me convidarão para a festividade de estreia da nova série televisiva.

Sempre te convidaria para viajar comigo, caso fosse possível.

Eu te convidaria para viajar comigo, caso fosse possível.

Colocação dos pronomes oblíquos átonos nas locuções verbais

Com locuções em que o verbo principal ocorre no infinitivo ou no gerúndio:

a) Se a locução verbal não vier precedida de um fator de próclise, o pronome átono poderá ficar depois do verbo auxiliar ou depois do verbo principal:

Devo-lhe cantar uma música

Devo cantar-lhe uma música

Estava-lhe dizendo a verdade

Estava dizendo-lhe a verdade

b) Havendo fator de próclise, o pronome átono ficará antes do verbo auxiliar ou depois do principal:

Não lhe devo dizer a verdade.

Não devo dizer-lhe a verdade.

Não lhe estava dizendo a verdade.

Não estava dizendo-lhe a verdade.

Com locuções em que o verbo principal ocorre no particípio:

a) Se não houver fator de próclise, o pronome átono ficará depois do verbo auxiliar:

Havia-lhe dito a verdade.

b) Se houver fator de próclise, o pronome átono deverá ficar antes do verbo auxiliar:

Não lhe havia dito a verdade

Ênclise

De acordo com a gramática normativa, a posição adequada dos pronomes átonos é depois do verbo, desde que não haja condições para a próclise ou para a mesóclise.

Assim sendo, a ênclise é obrigatória:

a) Com o verbo no inicio do período, desde que não esteja no futuro do indicativo:

Comenta-se que ele recebeu o prêmio.

Lembram-me pormenores daquela noite sem graça.

b) Com verbo no imperativo afirmativo:

Alunos, apresentem-se já ao diretor.

Amigos, digam-me somente a verdade.

c) Com o verbo no gerúndio, desde que não esteja precedido da preposição em:

Modificou a frase, tornando-a ambígua.

Puseram-na de castigo para depois poder beijá-la, consolando-a.

d) Com o verbo no infinitivo pessoal regido por preposição a:

Leia atentamente as questões antes de resolvê-las.

Aspirava com ânsia, como se aquele ambiente tépido não bastasse a saciá-lo.

e) Em orações interrogativas iniciadas por palavras interrogativas, com verbo no infinitivo impessoal:

Por que maltratar-me agora?

Como convencer-te do meu apreço?

Arquivado em: Português