Carlos Drummond de Andrade

Por Cristiana Gomes
Carlos Drummond de Andrade considerado um dos maiores representantes da literatura brasileira do século XX. Sua carreira poética pode ser dividida em 4 fases. Cada uma delas é composta por obras que nos permitem acompanhar a evolução de seus temas e sua visão de mundo.

A 1ª fase (a fase gauche) tem como características o pessimismo, o isolamento, o individualismo e a reflexão existencial. Nota-se nesta fase um desencanto em relação ao mundo.

Obras

“Alguma Poesia” (1930)
“Brejo das Almas” (1934)

Características dessas obras: ironia, o humor e a linguagem coloquial.

A 2ª fase, chamada fase social, é marcada pela vontade do poeta de participar e tentar transformar o mundo, o pessimismo e o isolamento da 1ª fase é posto de lado. O poeta se solidariza com os problemas do mundo.

Obras

“Sentimento do mundo” (1940)
“José” (1942)
“Rosa do Povo” (1945)

A 3ª fase pode ser dividida em 2 momentos: poesia filosófica e poesia nominal.

Poesia Filosófica: textos que refletem sobre vários temas de preocupação universal como a vida e a morte.

Obras

“Fazendeiro do ar” (1955)
“Vida passada a limpo” (1959)

Poesia Nominal: repletas de neologismos e aliterações.

Obras

“Lição de coisas” (1962)

A fase final (o tempo das memórias)

Como o próprio nome já diz, as obras desta fase (década de 70 e 80), são cheias de recordações do poeta. Os temas infância e família são retomados e aprofundados além dos temas universais já discutidos anteriormente.

Obras

“Boitempo”
“Boitempo III”
“As impurezas do branco”
“Amor Amores”

Drummond também escreveu contos e crônicas:

Conto: “Contos de Aprendiz

Crônica: “Passeios na Ilha”, “Cadeira de balanço”, “Os dias lindos”.

Curiosidade

Após a sua morte descobriu-se um conjunto de poemas eróticos que ele mantinha em segredo intitulado “O amor natural” (1992).