Dom Quixote

Este clássico da literatura universal, originalmente intitulado El ingenioso hidalgo Don Qvixote de La Mancha, foi criado pelo autor espanhol Miguel de Cervantes Y Saavedra, que viveu de 1547 a 1616. Ele foi publicado pela primeira vez em 1605, na cidade de Madri. Estruturalmente o livro é dividido em 126 capítulos, organizado em duas partes – a primeira lançada em 1605 e a posterior em 1615.

Dom Quixote foi publicado em uma época de grandes transformações; os romances de cavalaria, até então ocupando um lugar de destaque na literatura popular, já começavam a decair. Seguindo as inovações vigentes no contexto em que viveu, Cervantes satiriza este estilo literário, criando nesta obra uma paródia das novelas medievais protagonizadas por cavaleiros heróicos.

Este livro é praticamente um pioneiro da literatura moderna européia, representando para muitos críticos e leitores a melhor produção literária espanhola. Em maio de 2002 ele foi eleito a maior criação ficcional até hoje produzida, em uma eleição instituída pelo Clube do Livro Norueguês.

Cervantes cria neste clássico da literatura um personagem inesquecível, imortalizado por leitores de todas as épocas. Quem nunca ouviu falar de Dom Quixote? Este protagonista, um nobre espanhol, já em idade avançada, passa a ter alucinações depois de ler com frequência os romances de cavalaria. Ele passa a crer que todas as ações heróicas praticadas pelos personagens destas novelas são reais, e decide também se transformar em um cavaleiro.

O fidalgo sai como nômade mundo afora, enfrentando perigos criados pela sua fértil imaginação, como os célebres moinhos de vento que ele combate em uma das passagens mais famosas desta narrativa. Conhecido também como o Cavaleiro da Triste Figura, o espanhol se reveste de uma antiga armadura legada por seu bisavô, improvisa um capacete de papelão e assume o título de Dom Quixote de La Mancha. Segue em seu cavalo Rocinante, acompanhado de seu fiel servidor, Sancho Pança, elegendo também uma amada, a dama Dulcinéia, assim batizada por ele.

As duas partes desta obra apresentam atmosferas distintas. A primeira, em estilo mais maneirista, transmite uma intensa sensação de liberdade, enquanto a outra, tendendo para o barroco, passa ao leitor um sentimento asfixiante, um ar sufocante, como se suas páginas pudessem encerrar dentro de si todos que por elas se aventurassem. Aqui os protagonistas parecem caminhar da esfera da imaginação para os limites irremediáveis da realidade.

Também os personagens se contrapõem, simbolizando universos diferentes, embora pareçam caminhar pela mesma estrada. Sancho tem os pés mais próximos do real, enquanto Dom Quixote transita pela esfera do imaginário. Esta novela realista e satírica só pode concluir com o retorno do fidalgo ao mundo da razão e do bom senso, pois não há mais espaço para heróis nos tempos modernos.

Arquivado em: Livros