Leão Marinho

Por Thais Pacievitch
O leão marinho (Otaria byronia) também chamado de foca orelhuda, é um mamífero carnívoro da família dos otarideos. A medida e peso variam de acordo com cada espécie. Seu comprimento pode chegar a 6 metros e seu peso a 3 toneladas no caso de alguns machos. O seu principal predador é o ser humano. Outros predadores são as baleias e os tubarões.

Leão-marinho. Foto: 3268zauber [CC 3.0], via Wikimedia Commons

Leão-marinho. Foto: 3268zauber [CC 3.0], via Wikimedia Commons

O nome surgiu da juba que os machos têm na cabeça, muito parecida com a dos leões. Comem, por dia, cerca de 20 kg de peixe em cativeiro e, provavelmente, bem mais quando estão em seu habitat natural.

Vivem no mar próximo aos pólos, onde vão acasalar em ilhas onde não existam predadores para eles e seus filhotes. Há grupos de leões marinhos que chegam a ter 3 milhões de indivíduos, sendo que é a maior manada de mamíferos que existe.

Alimentam-se de peixes, moluscos, crustáceos, aves e também lobos marinho jovens. Eles armazenam gordura em seus corpos, fato que os ajuda a se manter aquecidos nas águas polares.

No período de reprodução, os machos dominantes marcam seu território, isso ocorre no mês de julho. As fêmeas chegam, têm seus filhotes e, logo em seguida (uma semana depois), começa o acasalamento, período no qual ainda tem de alimentar suas crias.

O período de reprodução dura cerca de 2 meses, tempo que os machos pouco dormem e quase não se alimentam, pois eles ficam ocupados dia e noite. Além de procriar, os machos têm de defender seus territórios de outros machos. Acontecem muitas mortes nesse período já que as lutas por território são mortais.

Os filhotes nascem em um ano o que significa que as fêmeas dos leões marinhos estão sempre gestando, acasalando ou tendo os filhotes. Geralmente os leões marinhos não mudam de local para se acasalarem. Existem diversas espécies deste animal no mundo, sendo que algumas são mantidas em cativeiro por zoológicos e circos para a realização de espetáculos.

O ser humano caça esse animal há muito tempo e isso levou ao risco de extinção. Entre 1920 e 1950 foram caçados mais de meio milhão de leões marinhos, a fim de obter sua gordura e seu couro que é usado na confecção de casacos. Com a proibição da caça os leões marinhos estão classificados como animais de baixo risco de extinção.