Naturopatia

Por Ana Lucia Santana
A Naturopatia é mais do que uma simples terapia, ela engloba toda uma concepção existencial, partindo do pressuposto de que a cura de um distúrbio orgânico e/ou emocional não vem apenas dos mecanismos fisiológicos, mas também de algo maior, que os pesquisadores costumam chamar de força vital, a qual se refere ao poder restaurador do funcionalismo corporal. Quanto mais fortalecido se encontra o corpo, melhor seu potencial de resistência às enfermidades. Esta vitalidade superintende a atuação de todas as terapias complementares, portanto é fundamental para a Naturopatia.

Esta filosofia de vida se alicerça, assim, na crença de que o organismo tem a capacidade latente de curar a si mesmo, ao se libertar das substâncias venenosas que invadem o corpo, por meio de nós mesmos, dos costumes prejudiciais conquistados a cada passo da jornada humana. A prática do naturopata se resume no resgate do equilíbrio corporal, através do incentivo às atitudes de defesa natural de nosso corpo.

A Naturopatia surgiu no decorrer do século XIX, no influxo de um retorno à natureza, em represália à medicina exercida neste período, às enfermidades e à deterioração provocadas pela recente Revolução Industrial. Seus criadores, provindos da Europa, recomendavam o contato com os raios do sol, a água e o ar, como o melhor remédio para os desequilíbrios orgânicos e psíquicos.

Ela é atualmente indicada para doenças como a anemia, a artrite, alergias, TPM, entre outras. Para alcançar a cura do paciente, a Naturopatia alia o uso de uma ou mais terapias, dependendo de cada indivíduo, dos problemas que o afligem, da situação vivenciada por ele. Esta disciplina pode recorrer a técnicas que vão da homeopatia, a fitoterapia, a fisioterapia e várias massagens, até regimes de desintoxicação, uso de suplementos alimentares, hidroterapia, diminuição do estresse – por meio de hipnoterapia, biofeedback, entre outros -, métodos respiratórios, aconselhamento, arteterapia, educação em saúde, higiene e alimentação, musicoterapia, cromoterapia, oligoterapia, terapia floral, geoterapia e várias outras.

A Naturopatia é, antes de tudo, um processo educativo, tanto preventivo, quanto reequilibrador, no tratamento dos distúrbios já instalados no organismo. Assim, o profissional deve orientar o paciente a erradicar disposições usuais, venenosas para o organismo; a corrigir práticas mentais e físicas, buscando o equilíbrio; e a transformar padrões existenciais. O naturopata é um terapeuta holístico, atento ao todo, pronto para perceber as reais necessidades do paciente, que é uma pessoa composta por várias dimensões e diversas faces, alguém que tem um organismo físico, um corpo emocional e outro espiritual. O bom profissional não pode jamais ignorar esta realidade e mutilar o ser, fragmentando suas demandas.

Por essa razão, o naturopata deve ter noções de homeopatia, alimentação natural, nutrologia, massagem integrativa, shiatsu, florais de Bach, respiração holotrópica, meditação, iridologia, hidroterapia, fitoterapia, complementos nutricionais, medicina tradicional chinesa, medicina tradicional japonesa (nishi), fisiognomia chinesa e indiana, acupuntura, acupressura, geobiologia, oligoterapia e sais de schuessler, aromaterapia, reflexologia podal, cromoterapia, quiroprática, quiromassagem, osteopatia, helioterapia, rebirthing, pulsoterapia, entre outras.

Fontes
http://www.planetanatural.com.br
http://pt.wikipedia.org/wiki/Naturopatia
http://naturopatiaintegrada.blogspot.com/

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.