Imunologia

Imunologia é o campo da biologia que estuda o sistema imunológico dos seres vivos e sua habilidade de responder à ação de agentes patogênicos. A imunologia baseia-se em como o próprio corpo se defende de doenças infecciosas causadas por microrganismos, tais como bactérias, vírus, protozoários e fungos, e também organismos parasitas, como os vermes.

A imunologia clássica é uma união entre as áreas de epidemiologia e medicina, e estuda a relação entre os sistemas corporais, agentes patogênicos e a imunidade. Já a imunologia clínica é o estudo de doenças causadas por perturbações do sistema imune. Envolve doenças no sistema imune e de outros sistemas do corpo, nos quais as reações imunológicas desempenham um papel de bastante destaque. Por sua vez, a imunoterapia é a utilização de componentes do sistema imune para o tratamento de doenças como o câncer, deficiências imunológicas ou outras doenças autoimunes.

Histórico

A palavra imunidade, de origem latina, significa “isento” ou “livre”, e refere-se aos mecanismos utilizados pelo organismo como proteção contra agentes presentes no ambiente e estranhos ao corpo. Os primeiros relatos históricos sobre imunidade foram feitas pelo historiador ateniense Tucídides em 430 a.C. Durante a “praga de Atena”, Tucídides observou que aqueles, que haviam contraído a praga e se recuperado, conseguiam cuidar dos doentes sem contrair a doença pela segunda vez.

O surgimento da imunologia é atribuído ao médico inglês Edward Jenner pela elucidação do primeiro processo de imunização no final do século XVIII. Jenner comprovou que a varíola bovina, também chamada de vacínia, doença relativamente branda, conferia proteção contra a varíola humana, comumente fatal. Em 1796, ele demonstrou sua teoria inoculando um menino de 8 anos com varíola bovina. Quando mais tarde o garoto foi inoculado intencionalmente com varíola humana, a doença não se desenvolveu. Na China, no Sudão e em outros países, procedimentos semelhantes ao desenvolvido por Jenner já vinham sendo usados popularmente para proteção contra varíola. A esse processo deu-se o nome de variolação, mais tarde conhecido por vacinação.

Também baseada neste tipo de procedimento, foi criada na década de 1940, a leishmanização; técnica na qual uma única lesão causada utilizando o parasita era suficiente para proteger o indivíduo contra uma futura reinfecção de leishmaniose.

Louis Pasteur, químico e microbiologista francês, também deixou sua contribuição para a imunologia, especialmente para os estudos de vacina. Em seus experimentos com cólera aviária, Pasteur notou que culturas de bactérias velhas perdem parte de sua capacidade de causar doenças e matar. Ao inocular uma cultura velha de bactérias nas aves, elas adoeceram, mas conseguiram se recuperar. Ao reinoculá-las com uma cultura nova, Pasteur observou que elas permaneceram sadias. Desta forma, ele demonstrou não só a diminuição da virulência da bactéria, mas também comprovou que o uso do patógeno atenuado pode levar à proteção contra uma doença. A este processo, Pasteur deu o nome de vacinação, em honra ao trabalho de Jenner. Até os dias atuais o termo vacinação é usado para descrever a inoculação de amostras atenuadas de agentes patogênicos em indivíduos saudáveis, a fim de conferir proteção contra determinadas doenças.

A pesquisa por novos métodos que levassem à proteção contra doenças deu seguimento. No início da década de 1890, Emil von Behring e Kitasato Shibasaburo descobriram que o soro de animais imunes à difteria ou ao tétano continha uma atividade antitóxica específica que poderia conferir uma proteção a curto prazo contra os efeitos das toxinas em pessoas. Atualmente esta técnica também é utilizada para a produção de anticorpos contra venenos de serpentes, escorpiões e aranhas. Os anticorpos produzidos se ligam especificamente às toxinas e neutralizam suas atividades.

Referências bibliográficas:
Abbas, A. K., Lichtman, A. H., Pillai, S. Imunologia celular e molecular. 6.ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.

Pereira, J. M. S. Imunologia. Disponível em: <cloud.fciencias.com/wp-content/uploads/2014/11/Imunologia-SEBENTA.pdf>

Price, D. What is immunology? Disponível em: <http://bitesized.immunology.org/what-is-immunology/>

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.