Erros Gramaticais comuns na Língua Portuguesa - Parte II

1. Emprego de MAU / MAL

· Mau: é o contrário de bom (adjetivo) e acompanha ou se refere a um substantivo.

Ex. O lobo-mau comeu a vovozinha.

· Mal: é o contrário de bem (advérbio) e refere-se a um verbo.

Ex. Passei mal no colégio.

2. Emprego de ONDE / AONDE

· Onde: aparece em verbos estáticos ou dinâmicos que pedem preposição em.

Ex. Onde ficou o menino? (Quem fica, fica “em” algum lugar)

Onde andavam as crianças? (Quem anda, anda “em” algum lugar)

· Aonde: emprega-se exclusivamente em verbos de movimento que pedem preposição “a”. Note-se que a própria palavra já começa com “a”.

Ex. Aonde foram os meninos? (Quem vai, vai “a” algum lugar)

Aonde chegaram os meninos? (Quem chega, chega “a” algum lugar)

Obs. Por onde passearam? / De onde vieram? / Para onde foram?

Neste caso, nunca use “aonde”, pois antes de “onde” já tem uma preposição.

3. Emprego de A PAR / AO PAR

· A par: é usada no sentido de

a) “estar ciente”, “sabedor de”: Não estamos a par do problema.

b) “ao lado de”, “paralelamente”: A casa está completamente deteriorada. A par disso tudo, ainda têm muitos impostos a pagar.

· Ao par: tem sentido de “ao câmbio, ao preço, ao valor, à troca”. Termo habitualmente empregado na linguagem comercial.

Ex. O dólar não está nem de longe ao par do real.

4. Emprego de AFIM DE/ AFIM/ A FIM DE/ A FIM DE QUE

· Afim de - usado no sentido de:

a) “parente” – função de adjetivo: José é afim de Paulo.

b) “próximo” – função de adjetivo: O Ceará é um Estado afim da Paraíba.

· Afim – usado no sentido de:

a) “parentes, familiares” – função de substantivo: Meus afins moram em São Paulo.

b) “correlatas, semelhantes” – função de adjetivo: Geografia e História são áreas afins.

· A fim de – usado no sentido de:

a) “finalidade” – locução prepositiva e pode ser substituída por “para”: Mário estuda a fim de passar no teste.

Obs. Na linguagem coloquial, esta expressão vem sendo usada em situações como “Marcos está a fim de Ana”, assumindo o sentido de “estar predisposto a namorar”.

· A fim de que: usado no sentido de finalidade e pode ser substituído por “para que”, inserindo uma oração adverbial final.

Ex. Os meninos treinam a fim de que vençam o campeonato.

5. Emprego de HÁ/ A/ À

· é usado com sentido de:

a) verbo fazer: Há dias não o vejo.

b) Indica tempo decorrido: Há dez minutos espero pelo ônibus.

c) Sentido de existir: Há crianças no pátio.

· A: é preposição ou artigo. Se vier antes de um substantivo, é artigo. Depois de um verbo, é preposição.

Ex. Moro a dois quilômetros de Fortaleza (preposição).

A cidade de Juazeiro do Norte está cheia de romeiros (artigo).

· À: é a junção da preposição “a” + artigo “a”.

Ex. Fui à cidade. (Fui “a algum lugar” – a cidade: palavra feminina)

6. Emprego de À-TOA/ À TOA

· À-toa: é uma locução adjetiva, refere-se a um substantivo e significa ”sem qualificação”, “inútil”.

Ex. Ele é um menino à-toa.

· À toa: é uma locução adverbial de modo, refere-se a um verbo e significa “sem rumo, ao acaso”.

Ex. Ele anda à toa na vida.

7. Emprego de SENÃO/ SE NÃO

· Senão é usado equivalendo a:

d) do contrário: Saia daí, senão vai se molhar.

e) a não ser: Não faz outra coisa senão reclamar.

f) mas sim: Não tive a intenção de exigir, senão pedir.

· Se não: equivale a “caso não”.

Ex. Esperarei mais um pouco. Se não vier, vou embora.

Continue lendo:

  1. Erros Gramaticais comuns na Língua Portuguesa - Parte I
  2. Erros Gramaticais comuns na Língua Portuguesa - Parte III

Arquivado em: Português