Explosivos

Por Luiz Molina Luz
Explosivos são substâncias capazes, por suas reações características a elevada velocidade, de liberar repentinamente enormes pressões, acompanhadas normalmente de forte ruído e de ações mais ou menos destruidoras nos arredores.

As classificações dos explosivos químicos compreendem dois tipos principais: os explosivos “baixos” ou “deflagrantes” (chamados também propulsores) e os “altos” ou “detonantes”, que se dividem por sua vez em “primários” e “secundários”.

Os explosivos “baixos” caracterizam-se por uma velocidade de reação que aumenta aproximadamente em proporção direta à pressão (como conseqüência da influência da pressão sobre a temperatura de superfície), porém sempre permanece uma ou duas ordens de grandeza por baixo do tipo detonante.

A pólvora negra (mistura íntima de nitrato de sódio ou potássio, carvão vegetal e enxofre), que durante séculos foi o único explosivo, tanto no campo comercial como no militar, se emprega atualmente só como explosivo rompedor, devido a seu excelente desempenho.

Entretanto, é um explosivo muito perigoso, devido à sua sensibilidade extrema a toda causa de ignição. Em suas aplicações militares mais importantes na atualidade (espoletas e detonadores) aproveita-se sua facilidade de ignição e sua chama quente relativamente prolongada.

As pólvoras sem fumo, propulsoras, outro tipo de explosivo “baixo” usado atualmente, são indispensáveis do ponto de vista militar. Por seu custo, porém, têm pouca aceitação comercial. Existem dois tipos de pólvora sem fumaça: as pólvoras de “base simples”, onde o principal ingrediente é a nitrocelulose, e as pólvoras de “base dupla”, que têm fundamentalmente nitrocelulose e nitroglicerina.

Devido a sua tendência a passar repentinamente à detonação depois de uma reação pré-explosiva de duração muito curta, os explosivos primários são a base dos pistões e espoletas (detonadores militares), empregados para produzir a onda detonante em explosivos secundários menos sensíveis.

Entre os explosivos primários mais importantes se encontram o fulminato de mercúrio, azida de chumbo, diazodinitro-fenol, nitromanita e estifnato de chumbo.

Entre os compostos puros de maior importância comercial e militar figuram o RDX (ciclotrimetilentrinitramina); PETN (tetranitrato de pentaeritritol); NG (nitroglicerina); Tetrilo (trinitrofenil-metilnitramina); TNT (trinitrotolueno); NA (nitrato de amônio), ácido pícrico e picrato e amônio. O RDX e o PETN detacam-se entre os explosivos químicos mais potentes, porém nunca se empregam em estado puro, devido a sua extraordinária sensibilidade.

Antigamente utilizava-se NG líquida, comparável em força ao RDX e PETN, para disparar nos poços de petróleo, mas seu uso motivava explosões acidentais muito devastadoras. Assim mesmo, a NG é o ingrediente básico dos explosivos comerciais detonantes de maior importância: as dinamites.

Existem duas classes gerais de dinamites: as “verdadeiras”, que contêm “preparados compensados”, e as de “amoníaco”, formadas por misturas de NA e combustíveis que estão cuidadosamente “compensados em oxigênio”.

Outro explosivo de grande utilidade militar é a pentolita, que é uma mistura de partes iguais de PETN e TNT. A maior utilidade desse explosivo consiste em seu emprego quando se necessita uma ação rompedora elevada, por exemplo, nas operações de demolições militares.

Outro tipo de explosivo militar é o Torpex (RDX, TNT e alumínio), que, não tendo grande força rompedora, está, porém, caracterizado por sua grande energia explosiva disponível.

Os explosivos gasosos ocupam outro vasto campo, com grandes vantagens e inconvenientes. Do ponto de vista de seus inconvenientes, basta recordarem a grande quantidade de explosões domésticas ou industriais, sobretudo as catástrofes mineiras.

A segurança na preparação, manejo, armazenamento e emprego de explosivos de todos os tipos é um problema de grande importância técnica e prática.
O Brasil está praticamente auto-suficiente na produção de explosivos, tendo cessado por completo, há bastante tempo, a importação de pólvora de todos os tipos.