Laqueadura

Por Ana Lucia Santana
A laqueadura é um método contraceptivo utilizado para que as mulheres não mais engravidem. Este procedimento é definido por uma incisão e/ ou ligadura cirúrgica das trompas de falópio, através das quais passam os óvulos, saindo dos ovários na direção do útero. Desta forma, com a ruptura do caminho por eles percorrido, não há mais a possibilidade deles se unirem aos espermatozóides, o que torna a fecundação impossível.

Este cerco aos óvulos é concretizado por meio de anéis confeccionados com plástico, clipes titânicos, queimadura das trompas, entre outros recursos. Esta intervenção, considerada muito confiável, embora sempre possam surgir obstáculos, como a ação mal-sucedida do cirurgião, que pode elaborar um nó mais intenso nas tubas uterinas, lesar as artérias, ou danificar a circulação e as tarefas do ovário, provocando a menopausa prematura, demanda que o paciente fique internado e receba a aplicação da anestesia geral ou da espinhal.

Assim como a vasectomia, a possibilidade da mulher conceber é reduzida a menos de 1%. É fundamental, porém, que a parceira continue a recorrer aos recursos contraceptivos para evitar doenças como a Aids. Quanto ao futuro desejo de reverter a cirurgia, 70% das pacientes obtêm sucesso e conseguem ficar grávidas de novo.

Mas esta nova intervenção só será possível conforme o tipo de laqueadura realizado e se não houve complicações posteriores. As técnicas mais passíveis de reversibilidade são as que se valem dos anéis de plástico e dos clipes de titânio. Por esta razão as mulheres devem ter muita certeza do que desejam ao optar pela laqueadura, pois nem sempre elas poderão reverter o quadro.

Além disso, as pacientes podem ser afetadas psiquicamente e o remorso não é incomum. Pesquisas indicam que 60% das mulheres acalentam o desejo de engravidar novamente quando conhecem um novo par, um filho morre ou a vida econômica prospera. Em algumas situações fora do comum a laqueadura sofre uma regressão natural, sem nenhuma intervenção, quando o corpo recria nas trompas o antigo canal, por onde novamente os óvulos podem transitar e encontrar os espermatozóides.

Somente as mulheres com idade superior aos 25 anos, após a realização de duas ou mais cesarianas, podem ser submetidas à laqueadura. Em nosso país esta intervenção cirúrgica é prevista legalmente pela Lei 9.263, de 1996, a qual rege o Planejamento Familiar e determina estes requisitos.

As pacientes permanecem por dois dias internadas, para que possam ser observadas pelos médicos. Já em casa elas devem descansar ao longo de dez dias. Embora elas não possam mais engravidar, a menstruação flui normalmente, a menos que algum problema surja posteriormente.