Adoçantes Artificiais

A preocupação crescente com a saúde fez surgir os adoçantes artificiais, substâncias químicas sintéticas de baixo teor calórico capazes de conferir um sabor doce a alimentos e bebidas, substituindo o açúcar comum.

Alguns destes compostos não são metabolizados pelo organismo humano, outros são metabolizados, mas logo são excretados, sem efeito cumulativo considerável, outros, ainda, são sintetizados de forma lenta, mantendo estáveis os níveis de açúcar no sangue. Devido a estas propriedades, os adoçantes artificiais são inseridos nas dietas de indivíduos diabéticos e obesos, permitindo o consumo de alimentos doces, porém menos calóricos.

Veja alguns dos adoçantes artificiais mais comuns:

  • Sacarina: substância artificial derivada do petróleo descoberta em 1879, é cerca de 200 vezes mais doce que a sacarose. É muito utilizada como adoçante principalmente na produção de refrigerantes de baixo valor calórico. Deixa um sabor amargo na boca.
  • Ciclamato de sódio: descoberto em 1937, é cerca de 30 vezes mais doce que a sacarose. É utilizado como adoçante artificial não calórico em vários tipos de alimentos e bebidas, e na composição de alguns medicamentos. Bastante estável, podendo ser submetido a elevadas temperaturas. Se ingerido em grandes quantidades pode causar diarreias.
  • Aspartame: descoberto em 1965, é cerca de 180 vezes mais doce que a sacarose e um dos mais usados nos dias atuais, principalmente na produção de bebidas. É contra-indicado aos indivíduos portadores da fenilcetonúria, visto que, um dos seus metabólitos é o aminoácido fenilalanina. Além das bebidas, o aspartame também é aplicado na fabricação de outros 6 mil produtos, aproximadamente, incluindo gomas de mascar, pós para sobremesas, recheios, iogurtes, adoçantes de mesa, e alguns fármacos como vitaminas e pastilhas.
  • Neotame: é o mais potente de todos os adoçantes artificiais, cerca de 8 mil vezes mais doce que a sacarose. Não deixa gosto residual na boca e seu sabor muito se assemelha ao do açúcar comum. A produção de bebidas diet ganha destaque quando se trata do uso do neotame.

O consumo de adoçantes artificiais é benéfico também na prevenção da cárie dentária. Sabe-se que a cárie é resultado da fermentação de carboidratos pela microbiota da placa dentária. Esses microrganismos não são capazes de fermentar os adoçantes sintéticos, evitando, assim, o surgimento da cárie.

Há uma preocupação constante quanto ao risco de efeitos secundários que possam ser causados por esses produtos, em especial, o aumento da propensão para o câncer. Por isso, diversos tipos de adoçantes artificiais já tiveram seu uso banido em alguns países, como por exemplo, a sacarina, que já foi suspensa na França e no Canadá.

Leia também:

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.
Arquivado em: Nutrição, Saúde