Ocidentalização

Por Ana Lucia Santana
A ocidentalização é um fenômeno no qual as camadas orientais do Planeta recebem uma carga de influência provinda da esfera ocidental. Elas são atraídas pela órbita dos processos industriais, tecnológicos, políticos, legislativos, econômicos, linguísticos e religiosos do Ocidente (principalmente Estados Unidos e Europa), bem como por seu comportamento, seus valores culturais, pela gastronomia, entre outros fatores que lhes parecem superiores.

Foto: dailin / Shutterstock.com

Foto: dailin / Shutterstock.com

Nos últimos séculos, particularmente no universo contemporâneo, com o crescimento do nível de globalização do mundo, a ocidentalização ganhou uma velocidade mais acelerada. Normalmente este mecanismo ocorre em um sentido de mão dupla, ou seja, um lado tem a necessidade de impor seu estilo de vida, enquanto o outro deseja receber esta influência.

No Japão, por exemplo, dez anos após a Restauração Meiji, instaurada em 1868, o Japão já começa a apresentar traços de uma ascendência ocidental. Nas ruas de metrópoles como Tóquio, os homens trajam terno e gravata, o colarinho na cor branca, caminhando junto a símbolos de uma cultura ancestral, como os ‘carros’ tracionados por criados.

Depois de um período de 250 anos de isolamento do mundo ocidental, este país se abriu novamente para a entrada da cultura e dos valores deste universo, uma iniciativa dos estadistas e intelectuais integrantes do novo regime. Eles partiam da crença de que o Japão deveria se esforçar para transcender sua decadência nos campos técnico e cultural, absorvendo desta esfera que pulsa diante de seus olhos fascinados tudo que eles julgam haver de melhor para sua nação.

Assim, eles importam desta fração do Planeta o que há de mais moderno na Medicina, na Filosofia, nas Artes, na Fotografia, na Linguística, no campo bélico, entre outras áreas dos mais diferentes países ocidentais. Professores estrangeiros passam a zelar pela formação dos futuros líderes japoneses.

Este é um bom exemplo de outro fenômeno que ocorre no interior da ocidentalização, a aculturação. Ela ocorre quando duas culturas distintas travam uma interação persistente, por muito tempo, resultando em transformações significativas no seio da sociedade influenciada pela esfera dominante ou nos dois grupos em questão.

A ocidentalização, seguida da aculturação, se processa também como consequência do colonialismo implantado pelo Ocidente em povos nativos, atualmente revivido especialmente na África, em sua versão neocolonialista. Alguns destes grupos sociais assumiram atitudes e os próprios idiomas dos seus colonizadores; estes valores podem ser impostos ou simplesmente adotados por vontade própria, conforme o contexto histórico.

Em um contato entre etnias distintas, tudo pode ocorrer, desde o genocídio, a luta pela preservação da cultura própria, a subsistência, processos adaptativos, mudanças culturais radicais, e até mesmo comportamentos que, de certa forma, podem ser definidos como autodestrutivos. É o caso novamente dos japoneses; entre eles vem crescendo o índice de intervenções plásticas, conhecidas como cirurgias de ocidentalização.

Esta operação visa transformar os olhos das japonesas, caracteristicamente puxados, em órgãos exatamente iguais aos das ocidentais. O cirurgião cria em suas pálpebras a tradicional dobrinha típica das mulheres do Ocidente, uma vez que no Japão elas apresentam a pálpebra superior desprovida de sulcos, totalmente plana.

Este procedimento, que já virou moda entre as mulheres japonesas, rouba toda distinção e o típico charme oriental e ignora que nem todo padrão ocidental, ideal para esta sociedade, é apropriado para a cultura oriental, que tem seus valores e sua aparência específica.

Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Ocidentalização
http://www.paranashimbun.com.br/index.php?option=com_content&view=article&catid=67%3Avariedades&id=140%3Aa-ocidentalizacao-o-japao-descobre-o-ocidente&Itemid=1
http://www.parana-online.com.br/editoria/cidades/news/133083/?noticia=MULHERES+ORIENTAIS+BUSCAM+A+OCIDENTALIZACAO