Isabel I de Castela

Isabel I de Castela que ficou conhecida como a Rainha Católica junto com seu marido Fernando II, teve um papel importantíssimo na realização das viagens de descobrimento realizadas por Cristóvão Colombo das quais foi patrocinadora. Foi durante seu reinado também que aconteceu a assinatura do Tratado de Tordesilhas e a tão temida Inquisição Espanhola.

Isabel nasceu em 22 de abril de 1451 em Madrigal de lãs Altas Torres, na província de Ávila no centro da Espanha. Filha de Juan II de Castella ela ficou sob os cuidados de seus dois meio-irmãos, Henrique e Afonso, quando da morte do pai em 1454. Criada longe da corte ela retorna 10 anos depois ficando sob a guarda de seu meio-irmão, então rei, Henrique IV.

Henrique, entretanto, não consegue controlar as disputas entre a nobreza pelo poder e os problemas de seu casamento (motivo pelo qual ficou conhecido como “O Impotente”) contribuem para desacreditar-lhe como rei culminando, em 1465, no episódio conhecido como a “A farsa de Ávila”, onde Henrique IV é deposto em efígie por um grupo de nobres que coroam Afonso, então com onze anos de idade. Henrique IV é pressionado e obrigado a aceitar. Mas Afonso ainda muito jovem é apenas um fantoche nas mãos do Marquês de Vilhena fazendo com que boa parte do reino permaneça fiel a Henrique IV.

Ocorre que em uma nova tragédia Afonso morre 3 anos depois, em 1468 (suspeita-se que envenenado) e Henrique IV novamente assume o poder iniciando-se então uma disputa entre Isabel e Joana, filha de Henrique IV e nomeada Princesa das Astúrias quando de seu nascimento em 1462, pelo direito de sucessão. Henrique novamente tem que ceder e em 1468, assinado o pacto dos Toros de Guisando reconhecendo Isabel como sucessora. No ano seguinte Isabel se casa com Fernando II, sucessor do reino de Aragão.

Porém, quando da morte de Henrique IV, em 1474, Isabel é oficialmente coroada rainha de Castela, mas a nobreza resolve apoiar Joana (apelidada de “Beltraneja” por suspeitar-se que seja filha de Beltrán de La Cuerva, amante preferido de sua mãe), na reivindicação pelo trono e tem início a Guerra de Sucessão Castelhana (1475 a 1479) onde, de um lado Joana, apoiada pelo reino de Portugal e França, e de outro, Isabel, com o apoio do reino de Aragão, disputam a coroa de Castela.

Isabel sai vencedora em 1479 e Joana é exilada em Portugal. No mesmo ano Fernando II é coroado rei de Aragão e o casal inicia a expansão do que viria a ser, mais tarde, a Espanha.

Devido aos seus esforços para consolidar a religião católica, que incluíram a criação da terrível Inquisição Espanhola, Isabel e Fernando ficaram conhecidos como os “Reis Católicos”, tendo sido os grandes responsáveis pela expulsão dos últimos muçulmanos da Península Ibérica que teve na conquista de Granada, último reduto muçulmano na região, seu episódio culminante.

Outro importante feito de Isabel I de Castela foi o apoio dado ao então desconhecido Cristóvão Colombo que em 1492 realiza sua primeira viagem que culminaria na descoberta das Américas. A partir daí iniciou-se o período das excursões marítimas espanholas. Isabel de Castela e Fernando de Aragão, assinariam ainda o famoso Tratado de Tordesilhas onde dividiriam as novas terras descobertas com o reino de Portugal.

Cronologia de Isabel de Castela:

1451 – Nasce Isabel em Madrigal de las Altas Torres no dia 22 de abril;
1454 – Morre seu pai, o rei João II de Castela, e seu irmão é coroado rei Henrique IV;
1462 – Nasce Joana, filha de Henrique IV e que é nomeada a Princesa das Astúrias;
1465 – Ano do episódio chamado de “A Farsa de Ávila”, onde Henrique IV é simbolicamente deposto por um grupo de nobres e Afonso é coroado rei Afonso XII, dando início a uma série de distúrbios que só terminariam com a morte de Afonso em 1468 (acredita-se que por envenenamento). Grande parte do reino continua leal a Henrique IV.
1468 – É assinado o Pacto dos “Toros de Guisando” onde Henrique IV reconhece Isabel como herdeira do Trono de Castela, nomeando-a Princesa das Astúrias;
1469 – Isabel se casa com Fernando II, segundo na linha de sucessão pelo trono de Aragão, rei da Sicília e Príncipe de Gerona;
1474 – Morre Henrique IV e Isabel assume o trono de Castela e Leão, mas os nobres resolvem apoiar Joana;
1475 – Isabel e Fernando II assinam o tratado conhecido como Concórdia de Segóvia onde fica estabelecido poder limitado para Fernando sobre o reino de Castela, mantendo Isabel como rainha-proprietária do reino;
1474 a 79 – Inicia-se a Guerra Civil entre Joana, a Beltraneja, filha de Henrique IV, e Isabel pelo trono de Castela, mas Isabel sai vitoriosa e Joana é exilada em Portugal;
1478 – Isabel estabelece o Tribunal da Santa Inquisição, dando início ao período da Inquisição espanhola (1478 a 1834);
1479 – Fernando II é coroado rei de Aragão;
1492 – Granada, o último reduto árabe na Península Ibérica, é conquistada encerrando as conquistas de Isabel e Fernando e culminando na expulsão dos judeus não convertidos; É publicada a Primeira Gramática Castelhana pela escola palaciana fundada por Isabel; É realizada a primeira viagem de Colombo com o apoio de Isabel;
1494 – O Papa Alexandre 6 concede o título de “Reis Católicos” a Isabel e Fernando; É assinado, no dia 07 de junho, o Tratado de Tordesilhas;
1504 – Isabel morre em 26 de novembro, em Medina do Campo, Valladolid deixando a coroa para sua filha Joana, a Louca.

Fontes
http://educacao.uol.com.br/biografias/isabel-1a.jhtm
http://www.brasilescola.com/historia/isabel-castela.htm
http://www.dec.ufcg.edu.br/biografias/IsabeII0.html

Arquivado em: Biografias