Joaquim Nabuco

Joaquim Aurélio Barreto Nabuco de Araújo nasceu em Recife, a 19 de agosto de 1849 e faleceu em Washington a 17 de janeiro de 1910. Foi um escritor e diplomata, filho do senador José Tomás Nabuco de Araújo e de Ana Benigna Barreto Nabuco de Araújo. Estudou humanidades no colégio Pedro II, tornando-se mais tarde bacharel em letras. No ano de 1865, segue para São Paulo, onde faz os primeiros três anos de Direito, formando-se em 1870 no Recife.

Logo o jovem Nabuco entrará para o serviço diplomático, como adido de primeira classe em Londres, e pouco depois em Washington, de 1876 a 1879. Pouco depois acabaria por ser atraído para o campo político, sendo eleito por sua província, a de Pernambuco, requerendo assim sua residência na então capital federal, a cidade do Rio de Janeiro. É neste período em que o público é apresentado ao Nabuco militante da campanha pela abolição da escravatura, bandeira que logo cresceria em proporções boa parte pelos seus méritos. Durante sua viagem pela Europa entre 1881 e 1884, é publicada em Londres, em 1883, "O Abolicionismo", sua obra principal. Em regresso ao país, é novamente eleito deputado por Pernambuco, assumindo a linha de frente da campanha abolicionista, que mais tarde alcançaria o tão desejado êxito. Apesar da proclamação da República, em 1889, Nabuco reafirma sua fidelidade ao regime monárquico, apesar da divergência na questão escravista. Como consequência de tais convicções, abandonará a vida pública para se dedicar somente aos estudos e às suas obras.

Em tal fase de espontâneo afastamento, Joaquim Nabuco passa a residir permanentemente no Rio de Janeiro, exercendo a advocacia e o jornalismo. É neste momento que estreita amizade com eminentes figuras das letras brasileiras, como por exemplo Machado de Assis, José Veríssimo e Lúcio de Mendonça. Tais contatos iriam inspirar mais tarde a criação da Academia Brasileira de Letras em 1897.

Em 1900 o então presidente Campos Salles convence-o a aceitar o posto de enviado extraordinário e ministro plenipotenciário em missão especial em Londres, na questão de limites territoriais com o Reino Unido, território hoje localizado entre o estado brasileiro de Roraima e a nação soberana da Guiana. Em 1906 voltaria ao Rio para presidir a III Conferência Pan-Americana.

Homem de grande prestígio intelectual, era alvo de reiterados elogios dos homens mais importantes dos EUA, além das distinções atribuídas pelas universidades norte-americanas por onde passava, realizando palestras sobre a cultura brasileira. Morre em Washington, recebendo distinto funeral. Seu corpo será trasladado para o Rio, e depois, finalmente para o Recife.

Bibliografia:
http://www.academia.org.br/abl/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=708&sid=268 - Página da Academia Brasileira de Letras - Acadêmicos - Joaquim Nabuco

Arquivado em: Biografias, Escritores