Papa Marcelo I

Mestrado em História (UFJF, 2013)
Graduação em História (UFJF, 2010)

Marcelo I foi o 30º papa da história da Igreja Católica.

Nascido em Roma no ano 255, Marcelo viveu uma época ainda de insegurança para os cristãos, pois eles continuavam sendo perseguidos pelos imperadores. Um dos maiores opositores daquela época era Dioclesiano, imperador que chegou a tornar obrigatório o culto a Júpiter, pois se identificava com o deus, além de ordenar violenta perseguição aos cristãos. Enquanto isso, Marcelo dedicava-se à vida religiosa com o reconhecimento de seus companheiros em fé.

Imagem do Papa Marcelo I, Basílica de São Paulo (Roma, Itália). Foto: Zvonimir Atletic / Shutterstock.com

A situação para os cristãos era tão tensa em Roma no período do imperador Dioclesiano que o Papa Marcelino faleceu em 304 e houve uma vacância de quatro anos até Marcelo ser eleito como sucessor. As péssimas condições de relacionamento vividas pelos cristãos dificultavam a manutenção de suas atividades cotidianas. Junto com o Papa Marcelino, vários outros fieis foram martirizados. No entanto, a repressão foi reduzindo gradativamente até que os cristãos pudessem se reunir novamente para reorganizar sua comunidade e para realizar suas celebrações.

O Papa Marcelo I assumiu uma Igreja em condição desastrosa, pois ela havia perdido muitos bens e muitos fieis estavam com medo de se manifestar. O novo papa buscou logo a reorganização através da divisão do território romano em 25 distritos chefiados por presbíteros. Seu novo modelo administrativo permitiria novamente a presença dos cristãos e de suas manifestações por todas as partes. No entanto, Marcelo I era severo e muito fiel às tradições de sua religião, ele condenava completamente os cristãos que renunciaram à religião para salvar suas vidas em algum momento de perseguição. Ainda que a situação fosse desfavorável durante seu papado, Marcelo I não aceitava readmitir os fieis que abandonaram a religião, ele exigia severas penitências. Foi assim que o papa começou a conquistar opositores. A situação gerou um grupo de cristãos que se opunha ao pontífice, criando situações de grande instabilidade.

O papado de Marcelo I foi muito breve porque, além da pressão externa, os desequilíbrios internos da religião contribuíram para uma situação insustentável. O imperador Magêncio aproveitou para o exilar em 309 em local que ainda é desconhecido. Magêncio se beneficiou do tumulto que as penitências impostas pelo papa causaram. No mesmo ano o Papa Marcelo I faleceu em seu exílio e, mais tarde, foi venerado como santo e seus restos mortais transferidos para de San Marcello al Corso, onde se encontra atualmente.

Marcelo I faleceu aos 54 anos de idade e foi sucedido pelo Papa Eusébio.

Fontes:
DUFFY, Eamon. Santos e Pecadores: história dos Papas. São Paulo: Cosac & Naify, 1998.
FISCHER-WOLLPERT, Rudolf. Os Papas e o Papado. Petrópolis: Editora Vozes.

Arquivado em: Biografias