Santa Helena

Santa Helena, batizada como Flavia Iulia Helena, mas também conhecida posteriormente como Helena Augusta e também como Helena de Constantinopla, nasceu por volta do ano 250, em Bitínia, província situada na Ásia Menor, onde atualmente se localiza a Turquia. Ela cresceu no seio de uma família humilde provinda de Drepanon, vindo a exercer a função de criada em uma pensão, quando jovem.

Nesta modesta posição ela conheceu o oficial romano Constâncio Cloro, que ainda não assumira o império nesta ocasião, o que possibilitou o casamento entre ambos. Mais tarde, ao se transformar em co-regente do então Imperador Maximiano, ele deixou Helena para se casar com a filha deste político, Flavia Maximiana Theodora.

Desta união entre Helena e Constâncio nasceu o futuro Imperador Constantino o Grande. Quando seu ex-marido assumiu o império, Helena ascendeu em sua posição social e obteve condições para subsidiar a edificação de Constantinopla, criada justamente para ser a capital do império. Ela foi recompensada com a outorga do título de Augusta, em 324, ao lado de sua nora, Flavia Maxima Fausta.

Conta-se que Helena tinha um apego especial por seu neto mais velho, Crispus Caesar, fruto de uma união fora do casamento, com Minervina, antes do matrimônio de Constantino com Flavia. Ele chegou a exercer o cargo de governador da Gália, designado pelo pai, mas foi morto por ordens paternas, em 326, aos vinte anos, acusado de tentar conquistar sua madrasta. Embora não se possa comprovar concretamente, diz-se que Helena mandou matar a nora, como revanche pelo assassinato do neto.

Não se sabe ao certo se Helena converteu seu primogênito ao Cristianismo, ou se foi ele que a introduziu a esta nova religião, depois que Constantino substituiu o pai à frente do Império e, em 313, declarou a liberdade de expressão do Cristianismo, através do famoso Édito de Milão, depois de vencer uma terrível batalha, após uma misteriosa visão da Cruz.

A futura santa era amiga do bispo Eusébio, e simpatizava com o arianismo – grupo cristão liderado por Arius, que via em Jesus não um desdobramento de Deus, mas um ser puro e sublime que já tinha uma existência anterior, e então encarna na Terra como Jesus de Nazaré -, chegando inclusive a sustentá-lo financeiramente.

Conforme as narrativas do Cristianismo tradicional, ela seria a responsável por encontrar o local exato da crucificação de Cristo, no Gólgota, e também pela localização da cruz na qual ele teria sido executado, em fins do século IV. Neste local ela mandou edificar a Basílica do Santo Sepulcro. Além deste templo, ela teria mandado construir várias outras igrejas, entre elas a da Natividade, em Belém.

Ela colaborou, assim, para retirar da clandestinidade o movimento cristão, permitindo que ele fosse disseminado durante esta era de tolerância religiosa, em pleno Império Romano. Já beirando os 80 anos, ela empreendeu uma jornada pela Palestina, à procura dos lugares pelos quais Jesus havia passado em sua existência. Foi quando ela supostamente encontrou o local da crucificação.

Logo depois de seu retorno à Constantinopla, a futura santa faleceu, sendo enterrada em Roma.

Fontes
http://pt.wikipedia.org/wiki/Helena_(santa)
http://www.cancaonova.com/portal/canais/santodia/index.php?dia=18&mes=8
http://pt.wikipedia.org/wiki/Arianismo

Arquivado em: Biografias