Genética Ecológica

Graduado em Ciências Biológicas (UNIOESTE, 2017)

Este artigo foi útil?
Considere fazer uma contribuição:


Ouça este artigo:

A genética ecológica é o ramo da biologia que busca observar e entender os aspectos genéticos em populações naturais a partir das interações dos organismos com o meio em que estão inseridos.

Genética Ecológica e Outras Vertentes de Pesquisa

Como o próprio nome sugere, a genética ecológica surge a partir da união de dois ramos da pesquisa, genética e ecologia, por esse motivo, muitas confusões surgem principalmente em relação a diferenciação dela com outros ramos da ciência e a contribuição da mesma para as outras áreas da biologia.

A primeira relação a se destacar é justamente entre genética ecológica e genética clássica. A genética clássica está voltada para o estudo do material genético e seus componentes em um âmbito molecular. Já a outra está relacionada a principalmente dois fatores, a observação da evolução dos fenótipos ao longo do tempo e a determinação da frequência genica e fenotípica em uma população, de modo a entender o comportamento de determinados genes na população.

A diferenciação entre genética ecológica e ecologia é outro tema de bastante dúvida. A primeira irá observar o comportamento genético e a interação gênica com o meio em que ele está inserido. Já a ecologia está voltada para um estudo da interação dos organismos com o meio em que eles se encontram, sem entrar muito em conceitos moleculares.

Outra relação marcante é com a evolução, pois através da genética ecológica é observado principalmente voltados a capacidade adaptativa dos organismos no ambiente em que estão inseridos. Com essa informação, essa ciência contribui diretamente para a ecologia evolutiva.

Importância da Genética Ecológica

O estudo da genética ecológica tem uma vertente mais evolucionista, portanto, o foco desse ramo de estudo está voltado a caracteres ligados a aptidão da espécie no meio, ou seja, as características que podem influenciar na reprodução, na sobrevivência e/ou na extinção de organismos e espécie.

A partir dos conhecimentos adquiridos, pode-se entender e prever alguns comportamentos dos organismos no meio em que estão inseridos.

Além disto, as observações feitas permitem analisar como os diferentes genes tende a se comportar naquele ambiente específico, criando assim uma base de entendimento sobre o perfil comportamental gênico no ambiente.

Aplicabilidade da Genética Ecológica para Economia e Saúde

A genética ecológica é muito explorada na agricultura para observação de tempo de floração, resistência a fatores bióticos e abióticos, duração do ciclo reprodutivo, ganhos e perdas produtivas, prevenção contra ataques de predadores e outros.

Outra associação que pode ser feita com esse ramo de pesquisa é com a saúde, na qual consegue-se observar os aspectos genéticos ligados a patologias. Um exemplo disto, é o comportamento gênico em organismos vetores patológicos geneticamente modificados, algo que acontece nos mosquitos Anophles que são transmissores da malária; para que esses insetos se tornem incapazes de transmitir os parasitos, altera-se o material genético deles em laboratório e em seguida analisa o comportamento dos novos genes na população.

Dessa forma, a genética ecológica não se restringe apenas aos fatores exclusivamente naturais, podendo contribuir para o desenvolvimento econômico e de saúde de uma região.

Referências Bibliográficas:

Ford E.B. (1964). Ecological Genetics

CONNER, Jeffrey K. et al. A primer of ecological genetics. Sunderland, MA: Sinauer Associates, 2004.

BERRY, R. J.; CRAWFORD, T. J.; HEWITT, G. M. (Ed.). Genes in Ecology: 33rd Symposium of the British Ecological Society. Cambridge University Press, 1992.

Arquivado em: Ecologia, Genética