Cerradão

Mestre em Ecologia e Manejo de Recursos Naturais (UFAC, 2015)
Graduada em Ciências Biológicas (UFAC, 2011)

O Cerradão é uma formação florestal do bioma Cerrado e ocupava originalmente 1% desse bioma. Essa vegetação apresenta características xeromórficas, com folhas reduzidas, suculência (tecido especializado no armazenamento de água), pilosidade densa ou cutícula grossa, que evitam a perda de água e permitem suportar a seca. Por isso, antigamente o Cerradão era chamado também de “Floresta Xeromorfa”.

No Cerradão ocorrem espécies vegetais características do Cerrado sentido restrito (árvores baixas, inclinadas, tortuosas, com ramificações irregulares e retorcidas), da Mata de galeria (árvores altas que acompanham os pequenos cursos d’água) e Mata Seca (vegetação que perde as folhas durante a estação seca). Mas o Cerradão é mais alto e mais denso que o Cerrado. Além disso, suas árvores não são ramificadas desde baixo e seus troncos são menos tortuosos.

Sua estratificação é composta por três estratos: arbóreo, arbustivo e herbáceo. O estrato arbóreo é denso, com dossel contínuo, cobertura que pode variar entre 50 a 90% e árvores com altura média de 8 a 15 metros. A cobertura arbórea proporciona penetração de luz irregular, o que favorece a formação de estratos arbustivos e herbáceos diferenciados. Os arbustos apresentam altura média de 2 a 5 metros e o estrato herbáceo é constituído por poucas gramíneas, que se desenvolvem apenas onde a quantidade de luz é maior.

Embora muitas espécies do Cerradão sejam perenifólias (árvores cujas folhas permanecem durante todo o ano), esse ambiente abriga muitas espécies caducifólias, como Caryocar brasiliense (pequi), Kielmeyera coriacea (pau-santo) e Qualea grandiflora (pau-terra). A queda de folhas contribui para o aumento da matéria orgânica no solo.

De modo geral os solos do Cerradão são profundos, bem drenados, de média e baixa fertilidade e ligeiramente ácidos. De acordo com a fertilidade do solo o Cerradão classifica-se em Cerradão Distrófico (solos pobres) e Cerradão Mesotrófico (solos mais ricos). Cada qual com espécies adaptadas a esses ambientes. Em solos distróficos as espécies mais frequentes são: Emmotum nitens (sobre), Xylopia aromatica (pimenta-de-macaco), Caryocar brasiliense (pequi), Maprounea guianensis (pinga-orvalho) e Copaifera langsdorffii (copaíba). Nos solos mesotróficos são comuns espécies como Anadenanthera colubrina (angico), Astronium fraxinifolium (gonçalo-alves),  Dilodendron bippinatum (maria-pobre) e Callisthene fasciculata (jacaré-da-folha-grande).

O Cerradão é uma das fitofisionomias mais ameaçadas do Cerrado, pois além de ocupar áreas menores e ser menos tolerante às queimadas, suas áreas são preferencialmente visadas pela expansão agrícola, carvoeira, madeireira e formação de pastagens. Além disso, é pouco protegido por lei e escasso em unidades de conservação. Por possuir uma flora mista com espécies de diferentes formações, a conservação do Cerradão é fundamental.

Referências:
http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/Agencia16/AG01/arvore/AG01_58_911200585234.html
http://www.icmbio.gov.br/projetojalapao/pt/biodiversidade-3/fitofisionomias.html

Arquivado em: Biomas