Atuação Metabólica do Ferro

Licenciatura Plena em Química (Universidade de Cruz Alta, 2004)
Mestrado em Química Inorgânica (Universidade Federal de Santa Maria, 2007)

O elemento químico ferro é de fundamental importância para muitos dos sistemas vivos. No organismo humano, o transporte e o armazenamento desse elemento são mediados principalmente por três proteínas, a transferrina, a molécula receptora da transferrina e, por fim, a ferritina. A primeira, molécula de transferrina, pode conter até dois átomos de ferro em sua composição. Sua função é entregar o elemento químico ferro aos tecidos que possuem as moléculas receptoras de transferrina, nas quais destacam-se os eritoblastos na medula óssea, os quais incorporam o ferro presente na molécula de hemoglobina. A transferência é então reutilizada. Ao final da sobrevida, ou seja, 120 dias, os eritrócitos são então destruídos nos macrófagos do sistema reticuloendotelial, localizado no interior do baço; o ferro é então liberado da hemoglobina, segue para o interior do plasma e fornece assim a maioria da massa de ferro da transferrina. Entretanto, apenas uma pequena porção do ferro da transferrina plasmática provém da alimentação, sendo absorvido no duodeno e no jejuno.

Certa massa de ferro é armazenada nas células reticulares endoteliais do organismo, como a ferritina e hemossiderina, mas em quantidades muito variáveis, conforme a possibilidade de situação das reservas desse elemento no organismo humano. Geralmente a ferritina trata-se de um complexo proteico, hidrossolúvel, denominada de macromolécula de ferro, com peso molecular que pode chegar a aproximadamente 465.000, formada de uma concha proteica externa, a apoferrina, que apresenta vinte duas unidades menores de um núcleo de hidroxifosfato de ferro. Pode conter até 20% em massa de ferro e não é visível nem mesmo à microscopia óptica. A hemossiderina trata-se de um complexo proteico insolúvel de ferro, de composição química variável, contendo até 37% em massa de ferro. Essa molécula é derivada da digestão lisossômica parcial de agregação de moléculas de ferritina, e já é visível à microscopia óptica nos macrófagos e também em outras células após coloração com indicadores de coloração especiais, como o azul da prússia. Tanto na ferritina como na molécula de hemossiderina o ferro está no estado de oxidação +3.

O elemento químico ferro está também presente na musculatura do organismo humano, já como mioglobina. Os níveis de ferritina e as moléculas receptoras correlacionam-se diretamente às moléculas de ferro responsáveis pelas reservas desse mineral no organismo. Essa relação surge através da ligação de uma resposta ao mineral presente na ferritina. Sabemos hoje que a quantidade diária necessária de ferro para compensar as perdas naturais do organismo varia com a idade e o sexo; e é consideravelmente maior na gravidez. Esses grupos, portanto, são particularmente propensos a desenvolver deficiências desse elemento, devendo tomar maiores precausões de reposição.

Referências:
RUSSELL, John B.; Química Geral vol.1, São Paulo: Pearson Education do Brasil, Makron Books, 1994.
SARDELLA, Antônio; MATEUS, Edegar; Curso de Química: química geral, Ed. Ática, São Paulo/SP – 1995.
MAHAN, Bruce M.; MYERS, Rollie J.; Química: um curso universitário, Ed. Edgard Blucher LTDA, São Paulo/SP – 2002.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Ferro

Arquivado em: Bioquímica