Célula eucariótica

Bacharel em Ciências Biológicas (UNITAU, 2012)
Pós-graduação Lato Sensu em Perícia Criminal (Grupo Educacional Verbo Jurídico, 2014)

A palavra eucarionte significa núcleo verdadeiro e é exatamente isso que pode-se ver nessas estruturas. As células eucarióticas possuem o material genético compartimentado, ou seja, ele é envolto por uma membrana denominada carioteca que o separa do citoplasma. Essa classe celular se trata de um modelo muito mais complexo e, em regra, maior que seu antecessor, o dos procariontes. São células com várias organelas membranosas e não membranosas estruturadas de maneira a cada organela desempenhar determinada função. Assim, em uma analogia a uma indústria ou empresa, as células eucarióticas possuem diversos departamentos bem estruturados e separados um do outro.

Exemplo de célula eucariótica. Ilustração: sanjayart / Shutterstock.com [adaptado].

Exemplo de célula eucariótica. Ilustração: sanjayart / Shutterstock.com [adaptado].

Certo, mas como surgiram essas células? Em resumo, acredita-se que os eucariontes são derivados dos procariontes por meio da endossimbiose. Isso significa a internalização de uma célula em outra que passou a desempenhar determinada função. Por essa relação ter proporcionado algumas vantagens adaptativas para ambas, ela se perdurou ao longo da história evolutiva, sendo herdada de geração em geração. Além disso, o que também deve ter ocorrido é a invaginação da membrana plasmática formando um bolsão que, então, adotou alguma função, como por exemplo, a digestão intracelular.

As células eucarióticas pertencem a indivíduos de diversos grupos, como fungos, plantas e animais. Elas podem ser de muitos tipos, como células musculares, do sistema nervoso, reprodutivas, entre diversos outros. A organização estrutural dos organismos também é bastante diversa, eles podem ser unicelulares, como os protozoários, e também pluricelulares, como os animais. No caso dos seres pluricelulares, uma mesma célula dá origem a muitas outras pela divisão celular. Essas iniciais, sem diferenciação alguma, são denominadas células totipotentes. Em seguida, ocorre um processo geneticamente determinado, no qual cada uma delas assume determinada configuração interna e forma, para, então, desempenhar alguma função no organismo. Esse processo é conhecido como diferenciação celular, e é por causa dele que é possível a existência de organismos tão complexos e organizados.

A configuração celular interna dos eucariontes, assim como a da maioria das células, é bastante variável em função do tipo ou função da célula. Outro fator que influencia na quantidade e em quais organelas estarão presentes nas células é a qual grupo o organismo pertence. Entretanto, de maneira geral, imersos no citoplasma, entre a membrana plasmática e a carioteca, é bastante comum estarem presentes mitocôndrias, complexo de Golgi, lisossomo, peroxissomo, retículos endoplasmáticos, ribossomos e, nos fotossintetizantes, cloroplastos.

Enfim, as células eucariontes são estruturas complexas e com a presença de diversas membranas biológicas, possuem configurações internas variadas e formam indivíduos de diversos grupos. Nesse sentido, os organismos pertencentes aos reinos animal, vegetal, fungi e protista são compostos por essa classe celular.

Bibliografia:
Carvalho, H.F. A Célula. Editora Manole. 3ª Edição. 672 páginas. 2013.
Junqueira, L. C. & Carneiro, J. Biologia Celular e Molecular. 9ª Edição. Editora Guanabara Koogan. 338 páginas. 2012.
Lopes, S. Bio – Volume Único. 1ª Edição. São Paulo: Editora Saraiva. 606 páginas. 2004.

Arquivado em: Citologia