Período Pré-Dinástico do Egito

Mestrado em História (UFJF, 2013)
Graduação em História (UFJF, 2010)

O Período Pré-Dinástico no Egito é referente a época em que o Egito era dividido entre Baixo Egito e Alto Egito. Foi o período onde o homem se estabeleceu na região e desenvolveu suas técnicas agrícolas que permitiriam mais tarde a formação da primeira dinastia e de um grande império.

Entre 13.000 e 10.000 a. C., a região que hoje representa os desertos do Saara e Árabe, passavam por um processo de aumento das temperaturas, ocasionando chuvas intensas. O vale do Rio Nilo tornou-se então pantanoso e atraiu animais e pessoas que formavam grandes grupos de nômades para se aproveitarem das riquezas do solo na região.

Somente no VI milênio antes de Cristo que começaram a surgir as primeiras aldeias e consequentemente o processo de sedentarização. Junto com o sedentarismo veio a prática da agricultura, a evolução humana na capacidade de se estabelecer na terra e produzir para seu próprio sustento fez com que se promovessem como unidades administrativas independentes, as quais eram chamadas de nomos. Cada nomo tinha seu monarca, acumulando os cargos de juiz, líder militar e rei.

Já entre 4.000 e 3.500 a.C. o povo egípcio intensificou seu desenvolvimento em torno de um local chamado El-Badari, na fronteira do Egito Oriente e Alto Egito. Nessa região aprimorou-se uma cultura chamada de badariense. Este momento ainda denota o que é conhecido como Período Pré-Dinástico Antigo.

No momento conhecido como Período Pré-Dinástico Médio havia duas culturas, a badariense e a merimdense. A época já era de aprimoramento das relações político-sociais e do sedentarismo.

A cultura merimdense surgiu na margem ocidental do delta do Nilo e era caracterizado por um povo que vivia em pequenas cabanas à base de vegetais e não tinham como costume o uso de cemitérios. Já a badariense que surgiu no Alto Egito ficou reconhecida como a mais importante cultura da época na região, pois tinha economia sustentada pela agricultura e pecuária e seus mortos eram enterrados com jóias, colares, alimentos e produtos domésticos. Carregando as marcas tradicionais que se desenvolveriam mais tarde no império egípcio.

Na disputa pelas terras mais férteis, as guerras começaram entre os nomos. Os conflitos resultaram na divisão da cultura badariense em duas regiões. No Alto Egito se formou a cultura Naqada I, ocupando o vale do Nilo, e no Baixo Egito se formou a Maadi, ocupando o delta do Nilo. A capital do Alto Egito era Nekhen e a capital do Baixo Egito era Buto.

Os combates entre as duas regiões permaneceram por longo tempo com o objetivo de dominar as terras mais férteis em volta do rio Nilo. Por volta do ano 3.200 a. C., o rei do Alto Egito, Narmer, mobilizou seu exército e preparou um ataque no qual conseguiu conquistar o Baixo Egito. A vitória garantiu a unificação dos dois reinos e o rei deu início ao grande império do Egito e sua primeira dinastia.

Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Período_pré-dinástico_do_Egito
http://www.historiadomundo.com.br/egipcia/periodo-pre-dinastico.htm