Vale dos Reis

É conhecido pelo nome de Vale dos Reis um vale situado a 643 quilômetros a sul do Cairo, na margem ocidental do rio Nilo, junto à cidade de Luxor (antiga Tebas). Seu nome vem do fato do local abrigar em meio à rocha escavada a maioria dos túmulos de faraós do Médio e Novo Império do Egito antigo, assim também como os túmulos de alguns nobres que trabalhavam para corte. As mulheres dos faraós estão enterradas em outro local, o Vale das Rainhas, a alguns quilômetros mais ao sul, com exceção da rainha Hatshepsut, esposa de Tutmósis II, a mulher que por mais tempo reinou sob o Egito, e que assim assegurou o direito a um túmulo separado do das esposas reais.

Vale dos reis. Foto: mountainpix / Shutterstock.com

Vale dos reis. Foto: mountainpix / Shutterstock.com

O Vale dos Reis constitui na realidade um grupo de "wadis", gargantas sinuosas e profundas escavadas por um antigo curso de água. O seu formato de pirâmide foi talvez o fator primordial na decisão dos faraós em adotar o local como morada definitiva. Antes do período do Novo Império, os reis egípcios construíam enormes pirâmides, que deveriam estar concluídas ao tempo da morte do soberano. O faraó Amenhotep I (1551 a.C. -1524 a.C.), porém, preferiu construir o seu templo junto ao rio, mudando a tradição, e assim, a partir dele, os seus sucessores passaram a transferir os seus túmulos ao Vale dos Reis, em locais mais reservados, escavados nos rochedos.

Ao todo, o conjunto reúne 63 sepulturas encontradas pelos arqueólogos (até o momento), denominadas de KV1 a KV63 de acordo com a ordem cronológica da descoberta. O primeiro destes locais a ser descoberto foi o de Séti I, pelo explorador Giovanni Battista Belzoni, em 1817. Os sepulcros eram dotados de uma câmara funerária que abrigava o sarcófago, além de outras células com tudo o que se supunha que o faraó iria precisar para desfrutar a vida além-túmulo. Pinturas murais apresentando hieróglifos, cenas simbólicas e da vida quotidiana compunham a decoração em todas as paredes do túmulo.

Apesar da área ser alvo de importantes descobertas desde o início do século XIX, foi somente em 1922 que o Vale dos Reis virou notícia no mundo todo, com a fabulosa descoberta do arqueólogo britânico Howard Carter, o túmulo intacto de um faraó bastante obscuro em meio à historiografia egípcia, Tutancâmon (1341 a.C. – 1323 a.C.). Os faraós eram enterrados em meio a tesouros fabulosos de todo o tipo, mas, como foram perdendo relevância para a população em geral, seus túmulos foram alvo de saqueadores durante séculos a fio. Somente um faraó pouco conhecido, que reinara durante pouco tempo, poderia ter passado incólume aos ladrões de sepulturas. Assim, o túmulo de Tutancâmon dá uma ótima ideia de como eram os outros locais antes de serem plihados. Hoje, o Vale dos Reis é um dos mais famosos locais de exploração arqueológica, e o rei "Tut" é talvez o mais conhecido de todos os faraós egípcios.

Bibliografia:
Vale dos Reis. Disponível em: <http://www.infopedia.pt/$vale-dos-reis>. Acesso em: 03 jul. 2012.
O Vale dos Reis. Disponível em: <http://www.fascinioegito.sh06.com/vale_dos_reis.htm>. Acesso em: 03 jul. 2012.