Fé Cristã

“Ora, a é a certeza das coisas que se esperam a convicção dos fatos que não se vêem. Pois, pela fé, os antigos obtiveram bom testemunho. Pela fé, entendemos que foi o universo formado pela palavra de Deus, de maneira que o visível veio a existir das coisas que não aparecem” (Hb 11:1-3)

A definição acima consta no livro de Hebreus, parte do Novo Testamento, e foi escrito para os que seguiam a Cristo, aos que ainda eram incrédulos porém tinham algum conhecimento e aceitação da doutrina e ainda, ao grupo de incrédulos que tinham sido chamados a entregar suas vidas a Cristo mas optaram por rejeitá-lo.

Desde os primeiros tempos os cristãos sofriam muita perseguição e perigo de morte, e desse ponto de vista, podemos perceber que a definição acima tenta ilustrar aos leitores que aqueles que acreditavam no evangelho estavam pagando um preço, confiando em algo futuro, uma esperança que fugia ao entendimento comum, e estavam além de uma base puramente racional, que surgia em conseqüência de uma experiência com Deus, o Senhor, e que fazia valer a pena correr todo o risco, ou dar suas vidas à missão.

Embora seja um termo lembrado com freqüência no contexto religioso, a Fé é uma capacidade inerente a espécie humana e que pode ser encontrada em outros contextos, onde a grande questão não é “ter fé” e sim, “ter fé em quê”.

O autor Mário Rosa em seu livro “A reputação na velocidade do pensamento” faz uma observação pertinente a isso, quando afirma que o consumidor exerce um ato de fé a todo o momento. Ele faz uma observação sobre a capacidade natural de um consumidor tomar decisões baseado em suas crenças (religiosas ou não): “Costumam dizer que o homem moderno perdeu sua velha capacidade de crer, mas pensando bem é possível perceber que quanto mais o homem evolui, mas se torna dependente da fé. Somos cada vez mais crédulos, apesar da moda do ceticismo. Entramos no elevador e temos certeza que ele vai subir – e não despencar. Tomamos remédio e temos certeza de que vamos ficar curados – e não envenenados. Colocamos o dinheiro no banco porque a creditamos ser mais seguro. E essas certezas acontecem porque a empresa que fez o elevador, a que produziu os remédios ou guardou nossa poupança foram capazes de despertar a nossa fé. A imagem que temos do mundo está baseada na fé”.

Voltando ao contexto cristão, a Fé é o ponto de partida do início de uma vida com Deus, pois ao ouvirem falar sobre o evangelho ou sobre Jesus Cristo, e acreditarem nele, passam a buscar conhecimento da Sua Palavra, alcançando aceitação intelectual e por fim, a obediência. Muito além dos dez mandamentos, a bíblia traz constantes recomendações de boa conduta para uma vida fraterna e afirmativas sobre o que agrada ou não a Deus.

A bíblia utiliza o termo Fé para definir a crença na existência em Deus, aceitação de que alguém havia sido de fato enviado por Deus (muitos eram falsos cristãos e era preciso ter discernimento), confiança de que a oração estava sendo ouvida por Deus, alívio de  sentirem-se perdoados de seus pecados após se converterem, e ainda a crença de que os cristãos são herdeiros pela fé de  Abraão.

A Fé pode ser entendida como uma resposta humana ao estímulo “Deus”.

Bibliografia:
A Bíblia da Mulher: leitura, devocional, e estudo. 2 ed, Barueri SP: sociedade Bíblica do Brasil 2009.
Bíblia sagrada. Traduzida em português por João Ferreira de Almeida. Revista e Atualizada no Brasil 2 ed Barueri SP, Sociedade Bíblica do Brasil, 1988, 1993.
ROSA, Mário. A reputação na velocidade do pensamento - imagem e ética na era digital. SP: Geração editorial, 2006.

Arquivado em: Cristianismo