Eritema das Fraldas

O eritema das fraldas, também denominado dermatite das fraldas, trata-se de uma dermatite que surge na região que entra em contato com a fralda em bebês e também idosos.

A causa mais comum desta irritação é o contato prolongado da pele com urina e fezes, levando à irritação química, causada pela ação da ureia presente na urina e das enzimas intestinais encontradas nas fezes. Outras causas desta dermatite englobam: fungos (como Candida albicans) e infecção bacteriana secundária da pele que está sensibilizada.

O quadro clínico típico do eritema das fraldas inclui alteração da cor da pele no local que está em contato com a fralda, adquirindo um tom avermelhado, podendo também apresentar descamação local e úlceras. Nos casos dos bebês, estes podem ficar irritados, desconfortáveis ou ainda chorar em decorrência do ardor provocado pelo contato da urina ou fezes com a pele lesada.

Quando a causa da dermatite é a Candida albicans, o eritema apresenta tom vermelho vivo, com bordo delimitado, em associação com lesões satélites de mesma coloração. Ocasionalmente é possível observar lesões causadas por esse fungo em outros locais do corpo, onde tipicamente há o acúmulo de umidade, como pescoço axilas e pregas de pele, ou ainda na cavidade oral.

O tratamento envolve a troca com maior frequência das fraldas, além de deixar o bebê ou o idoso sem fraldas sempre que possível, dando um descanso ara a pele. Além disso, podem ser usadas pomadas com corticoide, de acordo com prescrições médicas, na presença de lesões vesiculares ou papulomatosas. Nas dermatites ocasionadas por infecções fúngicas, o ideal é utilizar uma pomada antifúngica e, caso haja uma infecção bacteriana secundária, deve-se usar uma pomada com antibiótico.

Por meio de medidas simples, o eritema da fralda pode ser evitado. Dentre essas medidas destacam-se:

  • Troca frequente da fralda, evitando o contato prolongado da pele com as fezes e urina;
  • Limpas as nádegas do bebê ou do idoso apenas com água ou produto de lavagem sem enxaguamento entre as trocas de fraldas;
  • Secar bem a região lavada, evitando umidade no local, pois a mesma facilita a proliferação de fungos;
  • Após a troca de fraldas, proteger a pele com uma camada delgada de creme à base de vitamina A ou óxido de zinco;
  • Aumentar a exposição ao ar da área cutânea afetada.

Fontes:
http://www.sweetcare.pt/saude/eritema-fralda.aspxhttp://www.sweetcare.pt/saude/eritema-fralda.aspx
http://www.hmariapia.min-saude.pt/revista/vol1303/Dermatite%20das%20fraldas.pdf
http://enfermagemsap.org/index.php?option=com_content&view=article&id=24:eritema-das-fraldas&catid=2:categorascuide

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.
Arquivado em: Dermatologia