Peeling

Problemas como acne, rugas, sardas, manchas de sol e cicatrizes afetam a textura e aparência da pele. Os peelings são procedimentos capazes de corrigir estas irregularidades dando um aspecto uniforme e bonito à pele. A palavra "peeling” é originária do inglês e deriva do verbo "to peel" que significa descamar, exatamente o que o peeling faz, que é descamar a pele para promover uma renovação celular. Podendo ser químicos, físicos ou ainda a laser, os peelings tem sido poderosas armas da estética facial e corporal.

Os peelings químicos consistem basicamente na aplicação de uma solução química que remove as células mortas da pele, provocando reações de descamação. A pele regenerada é geralmente mais suave e menos enrugada que a pele velha. Fenol, ácido tricloroacético, ácido salicílico e ácido retinóico são utilizados para esta finalidade. O dermatologista é o responsável por determinar qual a melhor substância a ser utilizada, levando-se em conta o tipo de pele, a idade, a região onde se aplicará o peeling e o objetivo que se pretende alcançar de cada paciente.

O primeiro passo para iniciar o tratamento com peeling químico é a limpeza cuidadosa da pele com um agente que remove o excesso de oleosidade. Antes da aplicação da solução química, os olhos e os cabelos são protegidos. Inicia-se então a aplicação da solução química em pequenas áreas da pele. A aplicação pode ser feita em uma só sessão ou em uma série delas, o que traz melhores resultados. Durante o procedimento, o paciente sente uma sensação de ardor, o que é absolutamente normal.

De acordo com o grau de penetração na pele, o peeling pode ser superficial (atinge somente até a camada basal), médio (atinge até a derme papilar) e profundo (atinge até a derme reticular). Uma enfermeira ou esteticista (terapeuta de beleza) pode realizar peelings superficiais. Para peelings mais profundos recomenda-se a aplicação por um profissional dermatologista ou cirurgião plástico, que possui conhecimentos e técnicas para realizar tal procedimento com segurança.

Além dos peelings químicos, existem ainda os peelings físicos, que agem fazendo um suave lixamento na pele (microdermabrasão), e os peelings a laser, cujo princípio é o mesmo daqueles peelings realizados com ácidos, embora o laser atue mais fundo e mais rápido.

Após um peeling, a pele fica vermelha, inchada e muito sensível. Normalmente, estes efeitos se resolverão depois de alguns dias, porém em peelings profundos o tempo de recuperação é muito maior. Durante a fase de recuperação é importante evitar a exposição excessiva ao sol, uma vez que a nova pele é frágil e mais susceptível a complicações.

Referências Bobliográficas:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Peeling
http://www.denisesteiner.com.br/derma_cirurgica/peeling_livro.htm
http://www.naturale.med.br/peeling_1.htm
http://www.bioplastia.med.br/peeling_quimico.htm
http://www.cirurgia-plastica.com/peeling/

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.
Arquivado em: Dermatologia