Doença de Teschen

A doença de Teschen, também denominada de doença de Talfan e paresia enzoótica benigna, é causada por um enterovírus suíno, sorotipo 1, afetando exclusivamente suínos. Este vírus provavelmente existe em todo o mundo, mas grande parte das infecções são subclínicas, sendo muito raro focos da doença clínica.

Foi primeiramente relatada na Checoslováquia em 1929. No ano de 1950, esta doença se estabeleceu em países europeus e, em seguida, nos Estados Unidos, Canadá e Austrália. Nos dias de hoje, os surtos são muito mais leves do que quando inicialmente relatados, sendo atualmente rara e de pouco importância.

Ao entrar no organismo, o vírus se multiplica no intestino, sendo eliminado junto às fezes. É relativamente resistente, podendo sobreviver fora do corpo do animal e é altamente infecciosa, precisando ingerir apenas uma pequena quantidade de fezes infectadas para gerar uma infecção. É facilmente transmissível em granjas e através de fômites.

Em leitões que estão em amamentação, o vírus não se multiplica em seus intestinos, devido à imunidade conferida pelos anticorpos presentes no leite. Quando o animal é desmamado, a imunidade lactogênica deixa de ser fornecida, sendo então o vírus capaz de se multiplicar no intestino, no entanto, não pode chegar ao sistema nervoso central (SNC), pois é neutralizado pelos anticorpos colostrais ainda presentes na circulação sanguínea. Durante várias semanas, o vírus multiplica-se no intestino do animal sem causar danos, até que o suíno desenvolve uma imunidade ativa que impede a multiplicação viral.

No caso de não haver anticorpos circulantes específicos, ou quando seus níveis estão muito baixos, o vírus pode chegar até o SNC. Isso ocorre caso a mãe nunca tenha sido infectada (não passou anticorpos específicos contra o vírus para o filhote), se o leitão não recebeu colostro suficiente ou se o vírus entrar em uma granja onde os animais nunca foram afetados pela doença.

Inicialmente, os animais apresentam febre, falta de apetite, cansaço, leve incoordenação de movimentos. Ao passo que a doença progride, o suíno apresenta irritabilidade, rigidez, tremores ou rigidez muscular e convulsões. Pode também haver bruxismo, estalos dos lábios e a voz pode mudar ou sumir por completo.

O curso geralmente é agudo, e a morte é precedida por paralisia ocorrendo dentro de 3 a 4 dias após o aparecimento dos sintomas. Animais que apresentam a forma subclínica se recuperam.

O diagnóstico sugestivo é feito com base no quadro clínico e histórico. No entanto, a confirmação é feita através de exames laboratoriais como testes sorológicos.

Quanto ao tratamento, não existe nenhum que seja eficaz, sendo, portanto, necessário assegurar que todos os leitões recebam a quantidade de colostro necessária.

Fontes:
http://www.thepigsite.com/pighealth/article/457/teschen-disease
http://www.thepigsite.com/diseaseinfo/121/teschen-disease
http://www.defra.gov.uk/foodfarm/farmanimal/diseases/atoz/teschen/

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.