Teste sorológico

Mestre em Pesquisa Clínica em Doenças Infecciosas (FIOCRUZ, 2011)
Graduada em Biologia (UGF-RJ, 1993)

Ouça este artigo:

Testes diagnósticos são ferramentas utilizadas para se verificar ou não a ocorrência de determinada doença. É sempre necessária a utilização de mais de um teste para que os resultados sejam confiáveis. Cada teste diagnóstico possui um padrão específico como referência, onde é determinado o resultado: positivo ou negativo. Na sorologia realiza-se o estudo analítico do soro sanguíneo.

Nos testes sorológicos procura-se identificar os antígenos ou anticorpos específicos de cada doença. Antígenos são substâncias que estimulam o sistema imune a produzir anticorpos. Anticorpos são proteínas chamadas de imunoglobulinas que atuam na defesa do organismo contra agentes infecciosos.

Pesquisa de anticorpos

Esta pesquisa possui vários objetivos, dentre eles a determinação da ocorrência de uma determinada doença; avaliação do prognóstico da doença, avaliação da eficácia terapêutica, avaliação da imunidade dos pacientes. Os principais anticorpos pesquisados são a Imunoglobulina M (IgM) e Imunoglobulina G (IgG).

A IgM é produzida quando o corpo está infectado pelo agente infeccioso. A IgG funciona como defesa tardia contra a presença de microrganismos. Ela defende o organismo de um futuro ataque do mesmo agente.

Exames de IgG e IgM negativos indicam a ausência de contato com o agente causador da doença. Quando a IgG e a IgM são positivas, há indícios de uma infecção em estágios mais avançados. Infecções em estágios iniciais possuem tanto IgG quanto IgM negativas. IgG e IgM negativas significam uma infecção antiga que pode ter durado meses e até anos. E também indica sucesso na produção de anticorpos quando o indivíduo recebeu uma vacina.

Pesquisa de antígenos

É utilizada como critério de cura para algumas doenças. Também é muito utilizada na seleção de doadores de sangue, e em inquéritos epidemiológicos.

Foto: Cryptographer / Shutterstock.com

Tipos de testes sorológicos

Exames de aglutinação – neste teste, partículas muito pequenas (gotas de látex, partículas de gelatina ou bactérias) são acrescentadas a um antígeno ou anticorpo reagente. Mistura-se o complexo resultante ao espécime (liquor, soro). Caso o anticorpo ou antígeno-alvo seja encontrado, as partículas se ligam, produzindo aglutinação. Quando há resultados positivos, faz-se a diluição seriada. Aglutinações com soluções mais diluídas indicam maiores concentrações de antígeno ou anticorpo. São testes rápidos, mas são menos sensíveis que outros métodos.

Fixação de complemento – mede o consumo de complemento pelo anticorpo (fixação do complemento) no soro ou no líquor. Muito utilizado para diagnosticar infecções virais e fúngicas. Incuba-se o espécime com quantidades conhecidas de complemento e com o antígeno que é o alvo do anticorpo que esta sendo medido. O grau de fixação do complemento vai indicar a quantidade do anticorpo no espécime. Pode medir títulos de IgM e IgG ou pode detectar antígenos. É específico, mas é limitado, pois, é trabalhoso e necessita de vários controles.

Ensaios imunoenzimáticos – utilizam anticorpos ligados às enzimas para que haja a detecção de antígenos e anticorpos. Quantifica anticorpos também. Exemplos: ensaios imunoenzimáticos (EIA) e ensaios de imunoabsorção enzimática (ELISA). São geralmente usados na triagem, pois, a sua sensibilidade é alta. Alguns fatores podem interferir na sensibilidade dos testes como a idade do paciente, o sorotipo microbiano, o tipo da amostra, ou o estágio da doença.

Exames de precipitação – dosam um antígeno ou anticorpo em secreções corporais pelo grau de complexos de antígeno-anticorpos no gel (agarose) ou em uma solução. Possuem aplicações limitadas. De modo geral, a amostra sanguínea é misturada com o antígeno testado para detectar anticorpos do paciente. Possui baixa sensibilidade, já que os resultados positivos requerem grande quantidade de anticorpo ou antígeno.

Teste Western blot - detecta anticorpos virais ou de outros tipos na amostra do paciente (soro ou outro líquido fisiológico) através da sua reação com determinados antígenos que são transferidos por uma membrana. Possui boa sensibilidade, e é altamente específico. É utilizado para confirmar um resultado positivo obtido por testes de triagem.

Os testes sorológicos devem sempre ser feitos em conjunto com outros métodos diagnósticos e levando-se em conta o histórico do paciente.

Bibliografia:

Exame de sorologia: para que serve e quando fazer? Disponível em: http://www.laboranalise.com.br/exame-de-sorologia-para-que-serve/ Acessado em 21/11/2020.

Exames imunológicos para doenças infecciosas. Disponível em: https://www.msdmanuals.com/pt-pt/profissional/doen%C3%A7as-infecciosas/diagn%C3%B3stico-laboratorial-das-doen%C3%A7as-infecciosas/exames-imunol%C3%B3gicos-para-doen%C3%A7as-infecciosas Acessado em 21/11/2020.

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.
Arquivado em: Medicina, Saúde