Gastrinoma

Gastrinoma consiste em um tumor pancreático que leva à exacerbada síntese do hormônio gastrina, responsável por estimular a secreção de ácido clorídrico e enzimas pelo estômago, resultando em úlceras nesse último órgão, bem como diarréia, devido à inibição da lipase.

Normalmente, estes tumores apresentam-se agrupados no pâncreas ou próximos a ele, como no duodeno, sendo que aproximadamente 50% deles apresentam características de malignidade.

A excessiva secreção de gastrina causa sintomatologia diversa, dando origem à denominada síndrome de Zollinger-Ellison. Esta, por sua vez, engloba dor abdominal que varia de moderada a intensa, resultante de úlceras pépticas no estômago, no duodeno ou em qualquer região do intestino. Também podem estar presentes perfurações hemorrágicas e fechamento da luz intestinal, sendo que estas podem levar o paciente à morte. Em aproximadamente 35-40% dos casos, a sintomatologia inicia-se com a diarréia.

A suspeita, por parte do médico, ocorre quando o paciente apresenta úlceras pépticas múltiplas ou de forma copiosa que não desaparecem com o tratamento convencional. Neste caso, o médico pede exames de sangue para avaliar os níveis de gastrina, que se revelam elevados. Amostras do suco gástrico também podem ser colhidas através de sonda nasogástrica, evidenciando valores anormalmente altos de ácido. A localização exata dos tumores pode não ser fácil, uma vez que estes são pequenos e geralmente há vários. Exames de imagem como tomografia axial computadorizada, ecografia e arteriografia também são utilizados.

O tratamento de aproximadamente 20% dos pacientes que possuem gastrinoma sem neoplasia endócrina múltipla pode alcançar a cura com a cirurgia. Para os indivíduos que irão ser submetidos à cirurgia, fármacos antiulcerosos podem aliviar os sintomas. Caso esses fármacos não sejam eficazes, talvez seja necessária a ressecção total do estômago; contudo, essa cirurgia não elimina o tumor, mas este já não pode mais afetar o estômago, levando ao desaparecimento da sintomatologia. Se houver metástase, a quimioterapia pode auxiliar na redução do número de células neoplásicas e os níveis sanguíneos de gastrina.

Fontes:
http://www.tuasaude.com/gastrinoma/
http://www.manualmerck.net/?id=130&cn=1103
http://en.wikipedia.org/wiki/Gastrinoma

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.
Arquivado em: Doenças digestivas