Insônia

Mestre em Neurologia / Neurociências (UNIFESP, 2019)
Especialista em Farmácia clínica e atenção farmacêutica (UBC, 2019)
Graduação em Farmácia (Universidade Braz Cubas, UBC, 2012)

A insônia é um distúrbio do sono configurado pela dificuldade em iniciar manter o sono durante a noite ou até mesmo em adormecer, ou seja, pode aparecer em qualquer fase do sono gerando transtornos ao indivíduo. Segundo estudos, a prevalência populacional dos casos de insônia podem chegar até 50% da população, variando de regiões e de acordo com a Associação Brasileira do sono, um a cada três pessoas podem portar o distúrbio no Brasil.

Foto: Stokkete / Shutterstock.com

Nesse distúrbio do sono é muito comum o indivíduo se queixar de cansaço diurno, irritação, dificuldade de memorização e em se concentrar. Além disso, também é frequente a sensação de que o sono da noite não tenha sido suficiente para o descanso apropriado que deve estar em torno de sete a oito horas de sono por noite no caso de adolescentes e adultos, variando de acordo com a idade do indivíduo.

Causas

Dentre as principais causas da insônia, apontadas por estudos, estão fatores psicológicos como o estresse, ansiedade, preocupações e expectativas, todas essas resultantes de atividades cerebrais intensas, e além dessas também podem acarretar insônia; dores no corpo, uso de medicamentos, uso de tabaco, doenças reumáticas e respiratórias, doenças crônicas ou agudas, distúrbios emocionais e a diminuição da produção de serotonina, neurotransmissor responsável por diversas funções no organismo tais como, felicidade e regulação do sono.

Em criança as causas podem variar também, sendo os motivos mais comuns no lactente a associação do início do sono, a ansiedade da separação (mãe e filho) e o estresse causado pela mesma, em crianças de dois a três anos; hábitos alimentares, ingestão de líquidos em excesso no período noturno, doenças agudas e crônicas e na fase pré-escolar doenças agudas e crônicas, medos e pesadelos

Diagnóstico

O diagnóstico da insônia é feito através das queixas que os pacientes apresentam, e exames como a polissonografia que auxiliam na identificação precisa do diagnóstico de outros distúrbios do sono que podem estar relacionados a insônia em alguns casos agravando o quadro.

Prevenção e tratamento

De acordo com Bagnato, (2017) algumas medidas ajudam a evitar ou reduzir a intensidade da insônia, e essas medidas estão relacionadas com a “higiene do sono”, são elas:

  • Adotar horários habituais de sono, sempre procurando dormir e acordar nos mesmos horários incluindo em dias onde não se teria uma rotina de trabalho;
  • Evitar dormir durante o dia, cochilos com mais de 30 minutos podem prejudicar a noite de sono, portanto distanciar-se destes hábitos poderia ajudar no tratamento;
  • Substâncias contendo cafeína, como alguns medicamentos, chás, refrigerantes ou até mesmo café devem ser evitados pelo fato de que a cafeína é um estimulante cerebral reduzindo o sono;
  • Evitar alimentos ou refeições difíceis de digestão antes de dormir;
  • A iluminação do local interfere na produção de melatonina reduzindo a sonolência, portanto locais menos iluminados são ideais para induzir sono;
  • Evitar a utilização de aparelhos eletrônicos, pois, a luz destes também pode interferir no sono;
  • Evitar realizar atividades físicas intensas antes do horário de dormir, o ideal é praticá-las no período da manhã ou tarde ou até seis horas antes de dormir;
  • A meditação, leitura, banho morno e outras atividades relaxantes também podem induzir sono;
  • Ter um local adequado para o sono, livre de ruídos, iluminação de aparelhos, animais domésticos que possam interferir na hora do sono;
  • E por fim não competir com a insônia, evitando ir para a cama sem sono, isso pode atrapalhar ainda mais! Atividades relaxantes, com pouca iluminação e que não provocam inquietação são ideais para ajudar a “pegar no sono” e devem ser repetidas assim que o indivíduo despertar novamente ou não conseguir dormir.

Leia também:

Referências

Bagnato, M.C. 2017. “Insônia -10 dicas para dormir melhor” Hospital Sírio-Libanês, SP. Disponível em: https://www.hospitalsiriolibanes.org.br/sua-saude/Paginas/insonia-10-dicas-para-dormir-melhor-.aspx Acesso em 06/08/2019

Haddad, F. 2016. “Insônia” Hospital Albert Einstein, SP. Disponíve em: https://www.einstein.br/doencas-sintomas/insonia Acesso em: 06/08/19

NUNES, M.L.”Distúrbios do sono” J Pediatr (Rio J) 2002; 78 (Supl.1): S63-S72. Disponível em: http://www.jped.com.br/conteudo/02-78-S63/port.pdf Acesso em 02/08/19

Insônia. Instituto do Sono, disponível em: https://www.sono.org.br/sono/disturbiosdosono.php acesso em 06/08/2019

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.

Arquivado em: Doenças, Neurologia