Reciclagem de vidro

Mestre em Ecologia e Manejo de Recursos Naturais (UFAC, 2015)
Graduada em Ciências Biológicas (UFAC, 2011)

O vidro é um produto constante no nosso dia-a-dia. Ele está por todos os lados, nas janelas, portas, utensílios domésticos, embalagens, decoração, etc. O vidro pode ser reutilizado várias vezes para a mesma ou outra finalidade. Mas o que fazer com o vidro que não será mais utilizado? Reciclar é a melhor alternativa.

O vidro é infinitamente reciclável, pode ser reciclado muitas vezes sem perder suas qualidades. Um material de vidro reciclado possui as mesmas qualidades que um fabricado com matérias-primas virgens. O vidro também é 100% reciclável, ou seja, não há perda de material durante o processo. Para cada tonelada de caco de vidro, uma tonelada de vidro novo é produzida. Por outro lado, para que a mesma quantidade de vidro seja produzida seriam necessárias 1,2 toneladas de matéria-prima.

A coleta seletiva é o primeiro passo para que o processo de reciclagem seja realizado. A maneira mais simples de separação dos resíduos é separar os materiais recicláveis dos não recicláveis. A coleta do material reciclável pode ser feita porta a porta pelo sistema de coleta seletiva da região, ou o material pode ser entregue diretamente às unidades de recebimento. O vidro coletado é encaminhado para as empresas responsáveis pela triagem, limpeza e comercialização de vidros. Nesses locais o vidro passa por um processo de separação, por tipo e cor, e por um rigoroso processo de limpeza, através do qual todas as impurezas, como tampas, gargalos de metal, papéis, restos de produtos químicos, etc. são removidas. Estes materiais causam danos ao processo de reciclagem e interferem na qualidade final do novo produto.

Reciclagem de garrafas de vidro. Foto: Stoyan Yotov / Shutterstock.com

Os vidros, já separados e lavados, são triturados e transformados em cacos de tamanho homogêneo. Nas indústrias recicladoras ou indústrias vidreiras os cacos são aquecidos à temperaturas altíssimas, acima dos 1300°C. O material se funde e fica pronto para a última etapa, a modelagem. O vidro derretido é maleável e pode assumir diferentes formas, originando novos produtos como garrafas, potes, copos, etc.

Existem alguns tipos de vidros que não são recicláveis, como os espelhos, vidros de automóveis, vidros de janelas e box de banheiro, lâmpadas e utensílios de vidro temperado. Geralmente não existem tecnologias para a reciclagem destes vidros, ou as tecnologias estão em desenvolvimento ou o processo é muito trabalhoso e não é vantajoso economicamente. Todos os demais tipos de produtos podem ser reciclados, como garrafas de bebidas, potes de produtos alimentícios, frascos em geral (molhos, remédios, perfumes) e outros.

A reciclagem do vidro tem benefícios ambientais, sociais e econômicos. Contribui para a preservação ambiental, pois reduz a quantidade de resíduos destinados aos aterros sanitários ou descartados no meio ambiente e diminui a quantidade de matéria-prima extraída da natureza. Além disso, a utilização de cacos na fabricação do vidro reduz o tempo de fusão, o que leva a uma redução significativa no consumo de água e energia. Além disso, a reciclagem do vidro contribui para a geração de emprego e renda.

A reciclagem de vidro no Brasil cresce a cada ano. Atualmente, cerca de 40% do vidro produzido é reciclado. O país produz em média 980 mil toneladas de embalagens de vidro por ano, utilizando cerca de 45% da matéria-prima na forma de cacos de vidros. Mas toneladas de vidro ainda são depositadas todos os anos nos aterros e lixões. A Alemanha e a Suíça estão entre os países que mais reciclam o vidro.

Bibliografia:

Cesar, A. N.; Paula, D. A. de; Krom, V. Importância da reciclagem do vidro. IV ENCONTRO LATINO AMERICANO DE PÓS- GRADUAÇÃO – UNIVERSIDADE DO VALE DO PARAÍBA, São José dos Campos, 2004.