COMECON

Mestre em História (UDESC, 2015)
Pós-graduada em Direitos Humanos (Universidade de Coimbra, 2012)
Graduada em História (UDESC, 2010)

A fundação do Conselho de Assistência Econômica Mútua (COMECON) aconteceu em 1949, a fim de integrar economicamente União Soviética, Bulgária, República Democrática Alemã (Alemanha Oriental), Tchecoslováquia, Hungria, Polônia e Romênia, países do Leste Europeu e impedir o avanço do Plano Marshall sobre a região. Oficialmente, o objetivo do Conselho era “trocar experiências econômicas, ampliar a assistência técnica entre si e prestar assistência mútua em matéria de matérias-primas, alimentos, máquinas, equipamentos, etc”. Posteriormente, juntaram-se ao COMECON países de economia socialista que não estavam localizados no leste europeu, como Mongólia, em 1962; Cuba, em 1972; e Vietnã, em 1978.

comeconApesar da ideia de cooperação que era oficialmente propagada, a União Soviética exercia domínio sobre os países do Conselho, visto que era o principal poder econômico, político e militar dentre os países envolvidos. Possuía 90% da terra e dos recursos energéticos e 70% da população dos países-membros, além de ser a segunda potência mundial em capacidade industrial e militar, atrás apenas dos Estados Unidos. Além disso, grande parte dos escritórios e dos funcionários do COMECON encontravam-se em Moscou.

No entanto, o poder soviético sobre os outros membros foi fortemente combatido dentro da organização, visto que, de acordo com o documento de fundação do Conselho, existia igualdade soberana entre todos os países participantes. Tal princípio assegurava o direito à abstenção em qualquer situação caso algum Estado assim entendesse melhor aos seus interesses nacionais, o que servia como forma de proteção contra um possível domínio soviético. Assim, a integração econômica dos países socialistas era a base das atividades do COMECON, que não possuía autoridade supranacional para realizar decisões ou implementá-las.

O COMECON chegou a unir 450 milhões de pessoas, de 10 Estados e 3 continentes. O nível de industrialização, bem como a renda, de um país para o outro podia diferir bastante. De forma geral, a União Soviética era o grande provedor de matérias primas, transformadas em produtos pelos países do Leste, que também forneciam maquinário. Cuba, Mongólia e Vietnã eram os Estados com maiores dificuldades econômicas e recebiam forte auxílio dos países europeus, para os quais eram mais relevantes politicamente do que em termos econômicos.

Referências:
http://www.shsu.edu/~his_ncp/CMEA.html
http://www.frigoletto.com.br/GeoEcon/Blocos/comecon.htm
http://www.blackwellreference.com/public/tocnode?id=g9780631209379_chunk_g97806312093794_ss1-22

Arquivado em: União Soviética