Crossfit

Graduação em Educação Física (Unesp, 1999)
Mestre em Ciências da Motricidade (Unesp, 2002)
Doutorado em Integração da América Latina (USP, 2013)

Ouça este artigo:

O que significa Crossfit? Segundo Fortunato et.al. (2019), o termo cross apresenta sentido de cruzar ou misturar e fit pode significar aptidão. Nesse sentido, Crossfit se revela como a junção de duas palavras, que se apresenta como o sentido de mistura de aptidões.

O Crossfit é um tipo de exercício físico que se configura a partir de uma junção de diversas outras práticas, como exercícios intervalados de alta intensidade, exercícios de força e calistenia. É relevante mencionar que a prática Crossfit se trata de um tipo de exercício específico patenteado e que há mais de 12 mil academias licenciadas para prática, de modo que cerca de 500 estão no Brasil, e isso inclui mais de 40 mil praticantes em nosso país. É relevante mencionar que o local de pratica de Crossfit é chamado de box, ainda que muitos treinos se utilizem da rua e de outros espaços coletivos em partes do treino.

No artigo “Nada se cria": o crossfit enquanto prática corporal ressignificada, os autores mostram que, embora o Crossfit se venda como uma prática inovadora, ele se utiliza muito da calinestenia e da ginástica alemã, com a promessa de desenvolver integralmente seus praticantes. (FORTUNATO, 2019)

A prática do Crossfit é subdividida em 3 partes e apresenta duração de 60 minutos. O início se dá com um aquecimento de quinze minutos; depois há exercícios técnicos e de força – os técnicos muito importantes para o aprendizado do movimento, evitando lesões, por exemplo -; finalmente, seguido pelo WOD (treino do dia), exercícios sempre realizados em alta intensidade.

Academia de Crossfit. Foto: IKjub / Wikimedia Commons / CC-BY-SA 4.0

Outra informação relevante é a de que a nutrição seja, provavelmente, o fator mais significativo do compromisso do atleta com a sua prática, haja vista que a dieta é utilizada para potencializar a prática por parte do atleta.

Quem pode praticar Crossfit?

É muito comum ler que pessoas de qualquer idade, incluindo crianças, podem se beneficiar dessa prática, mas o artigo consultado de Dominski (2018) mostra que é seguro que pratiquem pessoas entre 18 e 69 anos, haja vista que nesse estudo não foi encontrado correlação entre idade e lesões.

O Crossfit promete benefícios como : alta queima energética, ganho significativo de massa muscular, rápidos resultados, acabar com a monotonia dos exercícios e trabalhar uma diversidade de aptidões físicas, como: resistência cardiovascular, resistência respiratória, resistência muscular, precisão, força, potência, agilidade, equilíbrio, flexibilidade e coordenação.

Assim, como foi visto, esta prática promete muitos benefícios como emagrecimento mais rápido do que quando feitas atividades físicas aeróbicas e alta taxa de fortalecimento muscular. Mas há riscos que precisam ser levados em conta. O artigo de revisão sistemática voltado a lesões no Crossfit mostra que há riscos sim de lesões nessa prática, em primeiro lugar de ombros, seguidas por costas e joelhos. Ademais, também há diferenciação por sexo no que se refere às lesões: homens se lesionam mais do que mulheres. O estudo em questão não encontrou diferenciação por idade. Outro problema encontrado, especificamente em pessoas do sexo feminino, é a incontinência urinária. Trabalho realizado com praticantes há pelo menos 6 meses, com aplicação de questionário, identificou que em média 20% das praticantes sofrem de incontinência urinária de leve a moderada.

Por estes motivos, é fundamental que a prática se dê com um profissional formado em Educação Física: ele saberá identificar os limites dos praticantes durante uma aula.

Bibliografia:

DOMINSKI, F.H., et al. Perfil de lesões em praticantes de Crossfit: uma revisão sistemática. Fisioter. Pesqui. 25 (2), junho 2018. Acesso em https://doi.org/10.1590/1809-2950/17014825022018.

FORTUNATO, J. et. al. “Nada se cria...”: o crossfit enquanto prática corporal ressignificada. Motrivivencia. 31 (58), maio 2019. Acesso em http://dx.doi.org/10.5007/2175-8042.2019e55291.

LOPES, E., et. al. Frequência de incontinência urinária em mulheres que praticam o Crossfit: um estudo transversal. Fisioter. Pesqui. 27 (3), jul-set 2020. Acesso em https://doi.org/10.1590/1809-2950/19028227032020.

Arquivado em: Educação Física