Lygia Fagundes Telles

Mestra em Literatura e Crítica Literária (PUC-SP, 2012)
Graduada em Letras (PUC-SP, 2008)

Clique aqui para abrir o player de áudio.
Sempre abrir.

Lygia Fagundes Telles nasce na cidade da garoa, São Paulo, no dia 19 de abril de 1923. Sua mãe pianista, Maria do Rosário Silva Jardim de Moura, e seu pai advogado e promotor, Durval de Azevedo Fagundes. Por causa da atividade do pai, a menina passou grande parte da infância e adolescência em diferentes cidades do interior.

A paulistana era amiga dos escritores Carlos Drummond de Andrade e Érico Veríssimo. Provavelmente a convivência com dois grandes nomes da literatura brasileira tenha colaborado para que, desde cedo, Lygia tivesse muito interesse pelos escritos literários. Aos 15 anos, com a ajuda de seu pai, ela publica o seu primeiro livro de contos intitulado Porão e Sobrado.

Contudo, é a publicação do romance Ciranda de Pedra, em 1954, que eleva a jovem escritora, ao patamar da notoriedade do público e da crítica literária. Antonio Cândido, um dos grandes nomes da crítica literária no Brasil, identifica o amadurecimento da escritura literária da autora, a partir desse livro. Em 1958, o seu livro Histórias do Desencontro é agraciado com o Prêmio do Instituto Nacional do Livro.

A década de 1960 também foi muito produtiva para a carreira de Lygia Fagundes. Com a publicação de Verão no Aquário (1963), foi vencedora do Prêmio Jabuti e ganhadora do Prêmio Candango (1967) - juntamente com seu marido, o crítico de cinema Paulo Emílio Soares Gomes -, com o roteiro do filme Capitu, baseado na obra Dom Casmurro, de Machado de Assis.

Na década de 1970 a escritora vê sua trajetória ser consagrada a partir das seguintes publicações:

  • Antes do Baile Verde, 1970 - Primeiro Prêmio no Concurso Internacional de Escritoras, na França;
  • As Meninas, 1973 - Prêmios Jabuti, Coelho Neto da Academia Brasileira de Letras e Ficção da Associação Paulista de Críticos de Arte;
  • Seminário dos Ratos, 1977, premiado pelo PEN Clube do Brasil.

Nas duas décadas que seguiram (1980 e 90) a escritora manteve a sua trajetória de premiações, sendo elas:

  • A Disciplina do Amor, 1980 - Prêmio Jabuti e Prêmio da Associação Paulista de Críticos de Arte;
  • As Horas Nuas, 1989 - Prêmio Pedro Nava de Melhor Livro do Ano;
  • A Noite Escura e Mais Eu, 1995 - Prêmio Arthur Azevedo da Biblioteca Nacional, o Prêmio Jabuti e o Prêmio APLUB de Literatura.

No ano 2000 o livro Memória recebeu os prêmios Jabuti, APCA e o Golfinho de Ouro. Já em 2005, Lygia Fagundes Telles recebe o Prêmio Camões pelo conjunto de sua obra.

Além de escritora, Lygia foi procuradora, presidente da Cinemateca Brasileira e membro da Academia Paulista de Letras e também da Academia Brasileira de Letras.

Artista engajada politicamente e socialmente, sua obra retrata temas de caráter universal e metafísico, num misto de literatura realista e fantástica. Outra característica concernente à sua obra é a conjugação entre espaço e memória contribuindo para a criação imagética e literária.

No ano de 2012 publica sua coletânea de contos Um Coração Ardente. Em fevereiro de 2016, é a primeira mulher brasileira indicada ao Prêmio Nobel de Literatura pela União Brasileira de Escritores (UBE), afirmando uma travessia poética repleta de prêmios e de grande contribuição para as literaturas brasileira e mundial.

Referências:

ABL (Academia Brasileira de Letras). Lygia Fagundes Telles: Biografia. Disponível em: <http://www.academia.org.br/academicos/lygia-fagundes-telles/biografia>. Acesso em: 18 dez. 2018.

Arquivado em: Biografias, Escritores