Nevasca

Mestre em Educação, Comunicação e Tecnologia (UDESC, 2016)
Graduada em Geografia (UDESC, 2014)

Nevasca é uma condição do tempo caracterizada por baixas temperaturas, tempestades severas com ventos de 56 Km/h ou mais, e grande quantidade de neve e vento no ar, o que, frequentemente, reduz a visibilidade para menos de 400 metros e dura pelo menos três horas. Quanto mais intensa, é denominada nevasca violenta e é caracterizada por temperaturas em torno ou abaixo de 10 graus Fahrenheit (-12,2° Celsius), ventos que excedem 72 Km/h e visibilidade reduzida quase a zero pela precipitação de neve.

A ocorrência de nevascas é mais comum em zonas de médias e elevadas latitudes do planeta, uma vez que consistem em regiões de clima frio e temperado, como as da América do Norte, Europa e Ásia. A altitude também pode ser um fator preponderante, ou seja, mesmo em áreas de baixas latitudes, nevascas encontram condições propícias para ocorrer quando em elevadas altitudes como, por exemplo, em regiões do Peru, na América do Sul, com altitudes superiores a 4.000 metros.

Nevasca ocorrida nos Estados Unidos em fevereiro/1977. Foto: NOAA

Nos Estados Unidos, as regiões Meio Oeste e das Grandes Planícies tendem a ser as que experimentam tempestades com maior frequência. Agravam a situação dessas regiões o fato de existirem poucas árvores ou outras obstruções para reduzir o vento. O país é frequentemente acometido por nevascas e, em função disso, o Serviço Nacional de Meteorologia possui sistema bastante eficiente de avisos, de forma que quando são esperados os ventos superiores a 56 Km/h e visibilidade inferior a 400 metros, avisos de nevasca são enviados aos moradores da região a ser atingida. Se essas condições não são atingidas simultaneamente, os avisos a serem emitidos podem ser de “tempestade de inverno” ou de “neve pesada”, que são eventos também críticos, porém mais brandos do que as nevascas.

No Brasil, a expressão nevasca é utilizada de forma mais generalizada, sendo utilizado mesmo para tempestades não tão intensas, e estando muito mais associado a eventos de precipitação de neve acima do comum, nem sempre acompanhadas de ventos intensos e baixa visibilidade. Dentro desse contexto, as ocorrências de nevascas no país, embora raras ao longo da história, são mais concentrados no estado de Santa Catarina, e os principais registros são os de: Vacaria (RS) em 1979; São Joaquim (SC) em 1957; e Itatiaia (RJ) em 1985.

As nevascas podem levar risco à vida. Viajar de automóvel pode se tornar difícil ou mesmo impossível devido a condições de neve cerrada e flutuante. Essas condições de baixa visibilidade ocorrem com maior frequência em grandes tempestades que produzem uma neve mais seca e em pó e que, mesmo em dado momento não esteja ocorrendo precipitação de neve, a visibilidade pode ser próxima de zero, tendo em vista que o pó de neve é tão fino e leve que o vento facilmente o faz flutuar do solo. Durantes nevascas, os ventos fortes associados a temperaturas extremamente baixas trazem outros sérios perigos à vida, como a hipotermia ou até mesmo o de congelamento.

As nevascas também podem causar uma variedade de outros problemas, como cortes no abastecimento de energia ou o congelamento de fontes de combustível regulares. Assim, em caso de nevascas, é sempre importante buscar abrigo em locais seguros e tentar se manter protegido do frio e dos ventos.

Referencial Bibliográfico:

G1. Santa Catarina: Maior nevasca de SC e 2ª maior do Brasil faz 57 anos neste domingo. Disponível em: <http://g1.globo.com/sc/santa-catarina/noticia/2014/07/maior-nevasca-de-sc-e-2-maior-do-brasil-faz-57-anos-neste-domingo.html>. Acesso em: 02 jan. 2018.

INMET. Glossário. Disponível em: <http://www.inmet.gov.br/portal/index.php?r=home/page&page=glossario#N>. Acesso em: 02 jan. 2018.

NOAA. Blizzards. Disponível em: < https://www.wrh.noaa.gov/fgz/science/blizzard.php?wfo=fgz> Acesso em: 02 jan. 2018.