Cobra grande

A Cobra Grande ou Cobra Norato é uma das lendas do folclore brasileiro, muito conhecida na Amazônia. Segundo a história, uma índia engravidou da Boiuna (serpente gigante que também faz parte do folclore) e ganhou um casal de gêmeos. As crianças ao nascerem receberam o nome de Norato e Maria Caninana.

A mãe logo percebeu que os bebês possuíam semelhança de cobra e foi consultar com o chefe da tribo. Ela perguntou se deveria matá-los ou jogá-los no rio. O pajé informou que ela não poderia matá-los se não ela morria também, então a índia decidiu soltá-los no rio Tocantins.

Norato e Maria Caninana conseguiram sobreviver e tornaram-se adultos. Ao anoitecer podiam se transformar em humanos e sair das águas, tendo que retornar ao amanhecer, quando voltavam a ser cobras. Norato tinha boa índole, era generoso, carinhoso, bonito e adorava ajudar os pescadores e protegê-los para que os barcos não afundassem. Geralmente quando ele se transformava em homem ia visitar sua mãe, ia em festas, fazia amigos e namorava. Maria Caninana era violenta e malvada, gostava de assustar os pescadores, prejudicar animais e pessoas, derrubar embarcações, entre outras maldades. Diferente do irmão, Maria não encontrava com sua mãe.

De acordo com a lenda, Norato cansado das malvadezas da irmã que piorava a cada dia, acabou a matando. Depois, descobriu como quebrar o encanto para viver somente como homem. Alguém precisava derramar leite em sua boca e com um ferro, furasse sua cabeça até que sangrasse (enquanto cobra).

Norato pediu sua mãe, que por diversas vezes tentou realizar o procedimento e não conseguiu, pois se assustava com a enorme cobra e ficava com medo. Numa noite, já transformado, saiu pela cidade de Cametá (município de Pará) e conheceu um soldado que era famoso por sua bravura. Então Norato fez o pedido ao soldado que resolveu ajudá-lo. O soldado encontrou-se com a enorme cobra na beira do rio, e corajosamente, colocou o leite em sua boca e conseguiu perfurar sua cabeça. Logo em seguida, saiu de dentro da cobra, um belo homem. O encanto havia sido quebrado, então, fizeram uma fogueira e queimaram o corpo da cobra. Norato viveu feliz e até bem velhinho numa cidade do interior do Pará.

Outra versão da história diz que, em noites de luar, aos poucos Norato ia perdendo seu encanto e se tornando homem para deixar as águas e viver na terra.

Cobra Boiuna (suposta cobra que engravidou a índia): De acordo com o mito, ela estava ligada à criação do mundo, podia mudar o curso das águas e dar origem a muitos animais. A Boiuna era muito grande e habitava os rios da Amazônia. As vezes derrubava barcos e levava os pescadores para as profundezas das águas.

Arquivado em: Folclore