Consanguinidade

A consanguinidade (do latim, con, mesmo, sanguine, sangue) é definida como a relação entre indivíduos que apresentam determinado grau de parentesco. São considerados consanguíneos os indivíduos que tenham ao menos um ancestral em comum.

Nos casamentos consanguíneos, em que o casal é formado por parentes próximos, as chances de genes recessivos se combinarem são significativas. E isso se acentua com o grau de consanguinidade: quanto mais próximo for o parentesco (pais, filhos, irmãos, avós, tios e primos de primeiro grau), maior a probabilidade das duas pessoas compartilharem os genes recessivos.

Os genes recessivos são "menos expressivos” e, por isso, é preciso herdá-los duas vezes para que a característica se manifeste. Muitas vezes, essa manifestação não se trata de apenas uma característica, e sim, de doenças, são as chamadas doenças autossômicas recessivas. Uma vez que as pessoas aparentadas tendem a compartilhar genes próximos, os descendentes de um casal consanguíneo têm grandes chances de desenvolver doenças autossômicas recessivas.

Certas doenças autossômicas recessivas podem causar erros inatos no metabolismo (albinismo, fenilcetonúria, alcaptonúria), cegueira, surdez congênita, retardo mental e displasias ósseas. A fibrose cística é um exemplo de doenças causadas por genes recessivos. Trata-se de uma doença genética que afeta o funcionamento de glândulas exócrinas, responsáveis pela produção de muco e outras substâncias mais espessas. A doença compromete, principalmente, os sistemas digestivo e respiratório, podendo levar o portador à morte prematura.

Outro exemplo de doença autossômica recessiva é a anemia falciforme, que causa deformidade de hemácias. Com essa doença, as hemácias perdem o formato de disco e assumem a forma de foice (daí o nome falciforme), dificultando a circulação do sangue pelos vasos sanguíneos mais finos.

Para evitar o risco de ter filhos portadores de doenças hereditárias, os casais consanguíneos devem, antes, buscar orientação de um geneticista, médico especialista no ramo de Genética Humana. Esse profissional fará um estudo detalhado da situação, analisará os dados familiares e, com isso, terá condições de estimar a probabilidade de a criança ser afetada por alguma dessas doenças. Esse processo recebe o nome de aconselhamento genético.

Os distúrbios provocados por casamentos consanguíneos também podem ocorrer entre animais domésticos e de zoológico. Devido ao pequeno número de indivíduos daquela população, é comum o cruzamento de parentes próximos.

Em muitas culturas e etnias existem leis que proíbem a união entre parentes próximos. Acredita-se que essas leis tenham surgido através de observações empíricas de que algumas anormalidades em recém-nascidos são mais frequentes em casamentos entre parentes.

Referências:
http://www.uel.br/pessoal/rogerio/genetica/respostas/pratica_14.html
http://estudmed.com.sapo.pt/genetica/consanguinidade.htm
http://www.clinicagenetica.com.br/page10.aspx

Arquivado em: Genética