Sistemas de determinação do sexo

Sistema XY

Nesse sistema, as fêmeas possuem o cariótipo XX, ou seja, apresentam o cromossomo X em dose dupla, e os machos apresentam os cromossomos XY. Está presente nos insetos, mamíferos, alguns peixes e plantas. É o caso da espécie humana, onde o macho é o sexo heterogamético (XY) e é ele que define o sexo da prole. A presença do cromossomo Y nos machos determina a produção de testosterona e conseqüente desenvolvimento das características sexuais masculinas.

Cariótipo de uma pessoa normal. Ilustração: National Cancer Institute [public domain]

Cariótipo de uma pessoa normal. Ilustração: National Cancer Institute [public domain]

Repare que o cromossomo Y é bem menor que o cromossomo X.

Sistema X0

Esse sistema ocorre em espécies onde não existe o cromossomo Y. Os machos são, portanto, X0 (lê-se xis-zero) e as fêmeas são XX. Esse tipo de herança ocorre em alguns insetos, como os gafanhotos. Os machos desse sistema possuem um número ímpar de cromossomos em seu cariótipo e as fêmeas possuem um número par.

Sistema ZW

Esse tipo de herança ocorre em algumas espécies de insetos, peixes, aves e répteis. Nessa herança, o sexo heterogamético é a fêmea, que apresenta os cromossomos sexuais ZW e o macho, ZZ. Como a fêmea é heterogamética, ela que define o sexo da prole.

Outros tipos de determinação do sexo

Temperatura

Em algumas espécies de crocodilos, jacarés, tartarugas e lagartos, o sexo da prole depende da temperatura de incubação dos ovos. Nas tartarugas marinhas, por exemplo, se os ovos forem incubados a temperaturas muito baixas, os indivíduos que eclodirem serão machos, se os ovos forem incubados em temperaturas altas, os indivíduos serão fêmeas.

Partenogênese

A partenogênese é o processo de desenvolvimento de embriões sem que haja fecundação. Os indivíduos formados possuem apenas cromossomos de origem materna e são haplóides (n). Em abelhas, os indivíduos resultantes da partenogênese são os machos (zangões). As fêmeas são heterogaméticas, provenientes da união de um óvulo com um espermatozóide. As fêmeas podem ser férteis (rainhas) ou estéreis (operárias), e isso é determinado pelo tipo de alimentação que recebem durante o período larval.

Arquivado em: Genética