Crescente fértil

Mestrado em História (UDESC, 2012)
Graduação em História (UDESC, 2009)

O crescente fértil foi uma importante região, especialmente para o início da sedentarização de diversos povos. Ela leva este nome porque, localizada entre os rios Tigre, Eufrates, Jordão e Nilo, tem um formato que se assemelha ao de uma lua crescente. Foi nessa região que se desenvolveram as primeiras populações sedentárias da humanidade, que passou pela revolução agrícola e, posteriormente, pela revolução urbana.

O local que chamamos de crescente fértil na antiguidade é onde hoje está hoje localizada a região da atual Palestina, Jordânia, Israel, Líbano, Kuwait e Chipre, além de algumas partes do Egito, da Síria, do Irã e da Turquia. É o berço da civilização.

Mapa do crescente fértil, no Oriente Médio. Fonte: Nafsadh / via Wikimedia Commons / CC-BY-SA 4.0 [adaptado por InfoEscola]

As cidades mais antigas se desenvolveram próximas aos rios ali localizados. Mas, antes disso, grupos humanos passaram a dominar a terra e a desenvolver a agricultura, o que lhes permitiu viverem fixos em um só lugar. O crescente fértil foi uma região conhecida por ter uma terra fértil, irrigada pelos rios. Foram eles que possibilitaram a agricultura, a sedentarização e mesmo as trocas comerciais que se davam por meio da navegação dos rios.

Havia muitos núcleos urbanos já ao longo do Tigre e do Eufrates. Uma das primeiras civilizações que conhecemos é a Mesopotâmia. São de lá os primeiros registros de sedentarização do homem. Mas, para viverem fixos na região, foi preciso aprender a domar a natureza local. Como os rios enchiam, a população precisou desenvolver técnicas para aproveitar essa irrigação e torna-la constante, tornando contínuo também o abastecimento de alimentos. Como se sabe os grupos humanos passaram muito tempo vivendo de forma nômade. Isso não quer dizer que, a partir da Revolução Agrícola, todos os grupos humanos se sedentarizaram. Esse foi um processo lento e gradual. As primeiras experiências de vida fixa se deram na região do crescente fértil. A agricultura estabeleceu as primeiras formas de divisão social do trabalho, pois, enquanto os homens ficavam responsáveis pela colheita, as mulheres tinham a responsabilidade de semear, guardar, preservar e preparar os alimentos. Além disso essas sociedades também passaram a desenvolver sistemas hierárquicos.

Por isso, foi nessa região também que primeiro se desenvolveram os sistemas numéricos e a escrita. Isso porque a Mesopotâmia, por exemplo, viveu um período de desenvolvimento do conhecimento e das técnicas necessárias tanto para a vida sedentária como para a construção das grandes obras públicas. Para construir os canais, por exemplo, o desenvolvimento do pensamento matemático foi de extrema importância. Além disso, o comércio já avançado entre os rios exigia formas de comunicação que fossem mais objetivas.

Era necessário, portanto, estabelecer padrões numéricos para efetiva execução das obras públicas. Da mesma forma tornava-se necessário o desenvolvimento de um sistema de comunicação eficaz. A escrita cuneiforme – em forma de cunha na argila mole – foi o primeiro sistema de escrita registrado. Por isso os primeiros registros escritos da humanidade são dessa região e puderam chegar até os nossos dias.

O crescente fértil marca geograficamente o início da civilização humana, vivendo em sociedade e de forma fixa, sedentária. Uma região com solo fértil, com fauna e flora diversa e com irrigação constante, dominada pelos homens e pelas mulheres que passaram a desenvolver técnicas e ferramentas para tornar a vida fixa possível. O início da vida sedentária é marcado não só pela localização estratégica, mas também pelas formas como as populações encontraram para sobreviver.

Referência:

PINSKY, Jaime. As primeiras civilizações. São Paulo: Contexto, 2011.