Revolução agrícola

Mestrado em História (UDESC, 2012)
Graduação em História (UDESC, 2009)

Entende-se por revolução, usualmente, algo que tenha causado uma transformação abrupta na sociedade. Entretanto, quando falamos do processo de saída do nomadismo para o sedentarismo a partir do domínio da agricultura estamos falando da revolução agrícola, ainda que não de forma acelerada. A transformação da sociedade aqui foi impactante mas aconteceu de forma lenta.

Os estudos arqueológicos apontam que as primeiras atividades agrícolas de deram há aproximadamente 10 mil anos, na região próxima ao Mar Morto. Em outros locais do globo o processo também ocorreu, porém em diferentes tempos: há 8 mil anos na Índia, 7 mil na China, 6.500 na Europa, 5 mil no Continente Africano, 4.500 nas Américas. O principal produto cultivado eram os cereais, especialmente trigo e cevada, além de variados tipos de milho e batata. Entende-se que o domínio da agricultura se deu de forma processual e que os homens e mulheres foram aprimorando as técnicas de produção agrícola ao selecionar as melhores plantas para determinado solo, por exemplo. Essa revolução também é conhecida como Revolução Neolítica, pois marca o processo de transição da vida de caça e coleta nômade para o sedentarismo agrícola, possibilitando, inclusive, o aumento populacional em grande escala.

Pintura pré-histórica de um homem puxando um boi, em campo arqueológico de Khao Plara, Tailândia. Foto: Jarun Tedjaem / Shutterstock.com

A agricultura e consequentemente o sedentarismo impactaram profundamente a vida humana. Foi por conta disso que houve um aumento significativo no número de seres humanos. As práticas anteriores, de caça e coleta, impediam o crescimento demográfico, enquanto o sedentarismo promoveu um aumento populacional. Ainda assim não é possível falar em uma transição abrupta do nomadismo para o sedentarismo. Enquanto alguns grupos dominavam a agricultura, outros tantos viviam de forma nômade. Há entre estas formas de vida uma diferença crucial: as crianças, nos grupos nômades, atrapalhavam a coletividade nas grandes caminhadas por serem pouco resistentes e demandarem atenção, especialmente das mulheres. Nos grupos agrícolas as crianças atrapalhavam menos e ainda auxiliavam nos trabalhos. Nestes grupos havia uma divisão do trabalho entre homens e mulheres. Enquanto os homens ficavam responsáveis pelo preparo da terra, as mulheres cuidavam do cotidiano do plantio e e, neste sentido, eram responsáveis pela maioria do trabalho necessário para alimentação do grupo. Além disso, os alimentos eram mais abundantes e com isso houve um considerável aumento demográfico, o que possibilitou, inclusive, a formação de grupos maiores. Quando estes se expandiam acabavam por se dividirem e formarem novos grupos, deslocando-se e montando acampamento em outros locais, difundindo o sistema agrícola.

Pintura do Egito Antigo ilustra a colheita de grãos. Foto: jsp / Shutterstock.com

Paulatinamente a revolução agrícola foi se expandindo e atingiu diversos locais em todo o mundo, diminuindo muito a incidência de grupos nômades. Além da agricultura estas sociedades ficaram conhecidos por dominarem também os animais. A domesticação de animais possibilitou uma reserva de caça, ainda que as práticas de caça continuassem acontecendo. Com domínio também dos animais os humanos passaram a explorar também materiais dele provenientes como o couro e a lã.

O sedentarismo, a agricultura e a domesticação de animais possibilitaram o armazenamento, prática até então impensável nos grupos nômades. Ao fixarem-se em um só local precisaram planejar o consumo e cuidar do plantio. Traçavam também relações com outros grupos, efetuando trocas culturais e comerciais.

Embora a Revolução Agrícola tenha complexificado a forma de organização social não significa que haja uma linha progressista que leve do nomadismo ao sedentarismo e, portanto, não se pode entender as diferentes formas de vida de maneira hierárquica.

Referência:

PINSKY, Jaime. As primeiras civilizações. São Paulo: Contexto, 2011

Arquivado em: Pré-História