Mar Morto

Pôr do sol no Mar Morto. Foto: Ido Meirovich / Shutterstock.com

Pôr do sol no Mar Morto. Foto: Ido Meirovich / Shutterstock.com

O Mar Morto na verdade é um grande lago localizado na região do Oriente Médio na região entre as colinas da Judéia e os planaltos da Transjordânia.

O Mar Morto é o local de maior salinidade do mundo com 300g para cada litro de água (o normal é 30g), é tanto que nenhum animal habita suas águas (por isso ele é chamado de “morto”) e é também o local com a mais profunda depressão do planeta, são 400 m abaixo do nível do mar.

Ele ocupa uma área de 1.020km² em uma região com clima subtropical semi-árido, muito seco ao norte e desértico ao sul. Os principais afluentes do Mar Morto são o Rio Jordão, o Hasa, o Muhib e o Zarqa.

Segundo a Bíblia, o Mar Morto teria sido formado após a erupção vulcânica que destruiu as cidades de Sodoma e Gomorra e era conhecido por Asfaltite, nome dado pelos gregos devido à formação de betume que flutua sobre suas águas.

O Mar Morto possui 82 km de comprimento e 18 km de largura e possui em suas águas bromo, brometo de magnésio, cloreto de sódio, óxido de magnésio e ácido clorídrico. Os raros peixes que chegam até ele pelas águas do Rio Jordão morrem instantaneamente devido à alta salinidade. É essa salinidade inclusive que faz com que seja quase impossível afundar em suas águas. No fundo do lago se acumula uma lama preta, com grande quantidade de sais minerais, utilizada pela indústria cosmética.

Um aspecto tem preocupado ambientalistas e cientistas preocupados com a conservação do Mar Morto: seu ritmo natural de recuo têm-se acelerado preocupantemente desde 1960 (início dos estudos). A taxa de evaporação chega a 1,6 metros por ano. O que junto com a exploração desenfreada de suas águas pela Jordânia e por Israel (que a utiliza depois de caros processos de dessalinização), e pela diminuição da vazão de alguns de seus afluentes mais importantes como o Rio Jordão, fez com que seu nível baixasse em mais de 10 metros aumentando ainda mais sua salinidade.

Arquivado em: Oceanografia