Confederação dos Cariris

Graduada em História (UFRJ, 2016)

A chamada Confederação dos Cariris foi também chamada de Guerra dos Bárbaros ou ainda nação Kiriri e ocorreu entre os anos de 1683 e 1713 na região Nordeste do Brasil. De acordo com os estudos de diversos historiadores a Confederação dos Cariris foi um movimento de resistência dos índios. Sua origem remonta de uma revolta indígena, os quais os índios não se sujeitavam aos homens brancos invasores, os portugueses colonizadores, sem apresentar resistências. De acordo com os estudos sobre esses índios, os Cariris eram um povo que migraram do norte e haviam caminhado pelas regiões costeiras do litoral brasileiro na região nordeste. Antes, eles viviam em vasta área dispersos entre os rios São Francisco, na Bahia, e o Parnaíba, no Piauí. Eles tinham hábitos de vida similares ao homem neolítico com seus costumes tribais, liderados por um sábio e desenvolviam práticas rudimentares de agricultura, morando próximo aos rios para plantarem em terrenos férteis, tendo como uma das principais características a origem ou surgimento dos produtos ou objetos de materiais cerâmicos, achados em escavações de pesquisas. Os cariris eram tribos mestiças, divididas da seguinte maneira a partir de suas localizações geográficas:

  • Inhamuns que viviam na região sertaneja de Inhamum;
  • Cariris que eram a tribo que viviam no sul do Ceará;
  • Cariús que eram os que viviam entre os rios Cariús e Bastões, próximo à Serra do Pereiro;
  • Crateús que viviam nas proximidades da bacia superior do Rio Poti.

Dedicavam-se também, entre outras atividades, à colheita do caju, usado como alimento e na fabricação de um vinho denominado "mocororó".

Os portugueses que chegaram no Brasil, acabaram encontrando esses indígenas na região de dois rios, o rio Itapicuru e o rio Paraguaçu, sendo que estavam vivendo fixos na serra dos Cariris, na Serra de Borborema.

É importante ressaltar que durante os 30 anos de conflito ocorreram revoltas indígenas e conflitos armados entre índios e forças militares da região. Até mesmo bandeirantes paulistas foram chamados pelas forças oficiais para combater o movimento dos cariris.

O principal objetivo da Confederação dos Cariris era a expulsão dos portugueses de suas terras, já que estes queriam se apossar das terras indígenas a fim de explorar e tentar tirar o máximo de riquezas e lucros. Um ponto alto e importante que era combatido nessa Confederação era a escravidão e a tentativa dos portugueses de dominar os nativos do Brasil. Sendo assim, como já foi afirmado antes, os índios queriam a expulsão dos portugueses. Assim, várias tribos da região se uniram para lutarem em defesa de suas liberdades e habitações territoriais. Muitos índios reagiram atacando e matando muitas pessoas que povoavam a região, destruindo suas propriedades. Isto ocorreu bem no final do século XVII, no ano de 1686, tendo os índios que habitam o Apodi como os primeiros a tomarem a iniciativa.

No ano de 1688, depois de dois anos de conflito, a fim de acabar com os conflitos que eram inúmeros, o Frei Manoel da Ressurreição e o governador geral do Brasil chamaram os bandeirantes para guerrear com os indígenas e por um fim nos conflitos. Mas a presença dos mesmos piorou a situação de imediato, provocando um aumento na revolta. Após anos de luta, o coronel João de Barros Braga promoveu uma expedição para combater os índios no ano de 1713 e foi matando todos os índios que encontrava pelo caminho, tendo assim sufocado a rebelião e extinguindo-se a Confederação dos Cariris.

Referências Bibliográficas:

DIAS, Leonardo Guimarães Vaz. A Guerra dos Bárbaros: manifestações das forças colonizadoras e da resistência nativa na América Portuguesa. Revista Eletrônica de História do Brasil. Juiz de Fora: UFJF, v. 5, n.1, set. 2002, p. 05-15.

PIRES, Maria Idalina da Cruz. Guerra dos Bárbaros: resistência e conflitos no Nordeste colonial. Recife: Fundap/CEP, 1990.

Arquivado em: Brasil Colônia