Apagão Aéreo de 2006

Mestre em História (UERJ, 2016)
Graduada em História (UERJ, 2014)

A crise do transporte aéreo no Brasil em 2006 foi desencadeada pelo acidente envolvendo um avião Boeing 737-800 da Empresa aérea Gol e um Jato Legacy, em 29 de setembro de 2006, deixando 154 mortos. Esse acidente evidenciou falhas no tráfego aéreo da região, no Mato Grosso. O acidente do Boeing da Gol foi seguido por diversas ocorrências que causaram atrasos e cancelamentos de voos em todo o país. Essa crise da viação aérea no país ficou conhecida como “Apagão Aéreo”, como era chamada pelos veículos de comunicação na época, e teve duração de dez meses.

A crise iniciou-se com a sobrecarga do controle dos voos, em outubro de 2006. No dia 20 desse mês, houve uma pane no Centro Integrado de Defesa Área e Controle do Tráfego Aéreo (Cidacta-2) que monitorava os voos da região Sul do país. Essa pane no centro de processamento de dados Cidacta-2 levou ao desligamento do sistema de radar de voos da região Sul, ocasionando atrasos de até 3 horas e 40 minutos em 146 voos.

Em 27 de outubro de 2006, controladores do tráfego aéreo, vinculados à Aeronáutica, ameaçaram fazer greve para denunciar a sobrecarga de trabalho pela qual passavam e as más condições de trabalho. Para contornar a situação, 32 voos foram atrasados no Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek, em Brasília. A medida de atraso dos voos foi comandada pelo presidente da Infraero, Brigadeiro José Carlos Pereira, para que a quantidade de voos monitorados por cada controlador não ultrapassasse catorze aviões simultâneos, padrão estabelecido para assegurar a segurança dos voos.

O problema dos atrasos dos voos irradiou-se para todo o país. Em 12 de novembro de 2006, os aeroportos que registraram maiores atrasos nos voos foram os das cidades de Guarulhos (SP), Congonhas (SP) e Salvador (BA). Esses atrasos teriam ocorrido por conta do emprego da operação-padrão dos controladores que estendia o intervalo entre os voos e monitoravam somente catorze aviões simultaneamente. O presidente da Infraero negou que os atrasos ocorriam devido à “operação-padrão” dos controladores de voos.

Em 21 de dezembro de 2006, houve mais atrasos de voos em decorrência da retiradas de naves da empresa TAM e por conta das fortes chuvas. A Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) registrou atrasos superiores a uma hora em 34,8% de voos e decolagens do país. Houve manifestações de passageiros contra os atrasos dos voos em Salvador, Rio de Janeiro e Brasília. No Aeroporto Tom Jobim, no Rio de Janeiro, um passageiro foi detido por “promover tumulto” devido ao atraso do voo no qual embarcaria para Maceió. Em Salvador, um passageiro invadiu um voo da Empresa TAM e foi retirado pela Polícia Federal. Em Brasília, passageiros manifestaram-se na pista de voo. As manifestações de passageiros contra os atrasos voltaram a acontecer no dia 27 de dezembro no Aeroporto de Cumbica (Guarulhos-SP).

Em março de 2007, os controladores de voos fizeram paralisações em aeroportos do país exigindo a desmilitarização do setor, a modernização dos equipamentos e gratificação salarial. Apesar de o presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva ter prometido que a resolução das questões de trabalho dos controladores de voos seria resolvida na esfera civil, foi deixado a cargo da Força Aérea Brasileira (FAB) a negociação com a categoria.

Os atrasos nos voos continuaram no ano de 2007, a empresa aérea Varig faliu e houve mais um acidente aéreo que resultou na morte de 187 pessoas. O Airbus A-320 da TAM derrapou na pista do Aeroporto de Congonhas e colidiu com o galpão da empresa, em 17 de julho de 2007, oito dias após esse acidente, o Ministro da Defesa Waldir Pires renunciou ao cargo. Waldir Pires foi substituído no cargo de Ministro da Defesa pelo ex-presidente do Supremo Tribunal Federal Nelson Jobim. A reestruturação do setor aéreo no país passou a ser o principal encargo do ministro Nelson Jobim.

Referências:

ABBATE, Vinícius & PENTEADO, Gilmar. “Pane desliga radares na região Sul e atrasa 146 vôos.” Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidian/ff2110200611.htm. Acessado em 03 de fevereiro de 2020 às 10h e 07m.

“Aeronáutica manda atrasar vôos; controladores não farão greve”. Disponível em:

http://g1.globo.com/noticias/brasil/0,,aa1328418-5598,00.html. Acessado em 03 de fevereiro de 2020 às 9h e 15m.

“Infraero diz que há atrasos em todos aeroportos do país”. Disponível em:

http://g1.globo.com/noticias/brasil/0,,aa1347720-5598,00.html. Acessado em 03 de fevereiro de 2020 às 9h e 27m.

“Passageiro provoca tumulto e é detido no aeroporto Tom Jobim”. Disponível em: http://g1.globo.com/noticias/rio/0,,aa1395783-5606,00.html. Acessado em 03 de fevereiro de 2020 às 9h e 50m.

SUWWAN, Leila. “Após motim, governo cede, faz acordo e controladores de vôo encerram a greve”. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidian/ff3103200701.htm. Acessado em 03 de fevereiro de 2020 às 10h e 58m.

“Veja o histórico do caos aéreo no país”. Disponível em: http://g1.globo.com/Noticias/Brasil/0,,MUL16123-5598,00-VEJA+O+HISTORICO+DO+CAOS+AEREO+NO+PAIS.html. Acessado em 03 de fevereiro de 2020 às 9h.

“Waldir Pires renuncia, após dez meses de crise aérea e duas tragédias”. Disponível em: http://g1.globo.com/Noticias/Mundo/0,,AA1595557-5602,00-WALDIR+PIRES+RENUNCIA+APOS+DEZ+MESES+DE+CRISE+AEREA+E+DUAS+TRAGEDIAS.html. Acessado em 03 de fevereiro de 2020 às 10h e 39m.

Arquivado em: Brasil Republicano