Civilização Suméria

Recebeu o nome de Sumer uma coleção de cidades-estado ao redor dos rios Tigre e Eufrates na região que hoje pertence ao sul do Iraque. Foi uma das primeiras grandes civilizações constituídas pelo ser humano, tendo florescido pouco antes do Egito e um milênio antes da que surgiu no vale do Indo.

Os sumérios eram um povo não-semita que migraram rumo ao sul na Mesopotâmia por volta do quinto milênio a.C. Geralmente, sua história é dividida em cinco períodos. São eles:

  • período Uruk - época que testemunhou o predomínio da cidade-estado de mesmo nome;
  • período Jemdet Nasr;
  • período Dinástico (2900-2370 a.C.);
  • período acadiano;
  • período de Ur III.

Sendo que os cinco períodos abrangem os anos de 3800 a 2000 a.C. aproximadamente.

O lugals (título equivalente a rei, cujo uso ultrapassou os próprios sumérios) exerciam o poder em onze cidades ao sul da Mesopotâmia, sendo que as pesquisas arqueológicas não conseguiram estabelecer ainda a existência de todos os reis presentes nos relatos, permanecendo estes como figuras míticas ou lendárias. As cidades constituintes da civilização suméria tinham fronteiras demarcadas por meio de canais locais ou pedras que serviam como marco. Os principais centros sumérios eram Uruk, Eridu, Bad-tibira, Larak, Sippar e Shuruppak.

Entre as crenças dos sumérios, há um curioso mito, similar ao do Dilúvio da Bíblia: o mito de Ziusudra, que conta como o deus Enki adverte Ziusudra, o rei (ou príncipe ou nobre) de Shuruppak,da decisão dos deuses de destruir a humanidade com um dilúvio (a passagem descrevendo por quê os deuses decidiram fazer isso se perdeu). Enki instrui Ziusudra a construir um barco de grande porte (as instruções para o barco também estão perdidas). Depois de uma enxurrada de sete dias, Ziusudra faz sacrifícios apropriados e prostrações a An, (o deus-céu) e Enlil (chefe dos deuses), sendo-lhe dada a vida eterna em Dilmun (o Éden sumério) por Anu e Enlil. O mito está registrado num único fragmento, o Gênesis de Eridu, que é datável pelo estilo da escrita, comum por volta do século XVII a.C. (tal versão seria mais tarde adaptada na Babilônia, e depois no Antigo Testamento, compilado no século VI a.C.).

O idioma sumério é lingüisticamente isolado e extinto. Todas as tentativas de se conectar a língua suméria com qualquer outra falharam até o momento. Ela está preservada apenas em tabletes de argila, em um corpus considerável de textos escritos em caracteres cuneiformes. Depois de 2000 a.C., o idioma semita acádio se tornou a língua franca, e o sumério foi relegado ao status deuma língua literária. O mais antigo documento sumério, descrevendo a invenção da roda data de cerca de 3500 a.C.

Bibliografia:
Middle East Kingdoms - Ancient Mesopotamia (em inglês). Disponível em <http://www.historyfiles.co.uk/KingListsMiddEast/MesopotamiaSumer.htm>. Acesso em: 25 nov. 2011

Ancient Sumer History (em inglês). Disponível em <http://ancientneareast.tripod.com/Sumer.html>. Acesso em: 25 nov. 2011.