Eleição presidencial do Brasil em 2018

Licenciatura em História (IFG, 2022)

Este artigo foi útil?
Considere fazer uma contribuição:


Ouça este artigo:

As eleições presidenciais de 2018, que culminaram na vitória do candidato Jair Messias Bolsonaro para um mandato de quatro anos, representaram um momento de ruptura com o padrão histórico de eleições realizadas no Brasil desde a redemocratização pós ditadura militar.

Tanto o historiador britânico Perry Anderson quanto o cientista político brasileiro André Singer avaliaram que, após o fim do período da Ditadura Militar no Brasil (1964 –1985) e a consequente redemocratização, ou seja, o retorno do processo eleitoral democrático para a escolha dos governantes do país, a estrutura partidária que passou a predominar na política do Brasil foi dirigida por três grandes partidos: PMDB, PSDB e PT. Dos três, o PMDB foi o partido que quase sempre obteve a Presidência do Senado, sendo hegemônico de 1985 até 2017, (apenas em raríssimas exceções, 1997 e 2001, políticos de outros partidos ocuparam a cadeira). Uma miríade de pequenos partidos, sem uma história sólida ou posição ideológica bem definida, guiados pelo sabor das situações, genericamente denominados de “centrão”, também obtiveram cadeiras no congresso, e em muitos momentos transformaram o seu apoio em moeda de troca com os presidentes eleitos.

No âmbito da presidência da república, também era possível enxergar o predomínio dos três partidos, sendo quase todos os presidentes: José Sarney, Itamar Franco, Fernando Henrique Cardoso, Luís Inácio Lula da Silva, Dilma Rousseff e Michel Temer, com exceção de Collor, filiados a um dos três. O processo de deterioração dessa estrutura começa em junho de 2013, durante o governo de Dilma, quando uma série de protestos de ruas eclodem pelo país, inflamados pela alta do custo de vida, a exemplo da subida dos preços das passagens de ônibus, fustigados também pelas reiteradas denúncias de corrupção em todas as esferas do governo, expostos diariamente pela imprensa. Setores da classe média do centro-sul do país, que compunham uma nova direita jovem, utilizando-se das redes sociais, canalizaram os protestos contra a corrupção e os acordos obscuros, aquilo que denominaram de “velha política”, que deveria ser substituída por algo novo, e se configuraram como novos atores políticos no cenário nacional.

Mesmo diante dessa situação, em 2014, Dilma obteve a reeleição contra o candidato do PSDB, Aécio Neves, em uma disputa acirrada. Contudo, em 2016 fora aberto o processo de impeachment, que a destituiu do cargo, colocando seu vice, Michel Temer (PMDB) como presidente interino até 2018, momento em que seriam realizadas novas eleições presidenciais. Lula, do PT, que em 2016 já tinha demonstrado interesse em participar da nova corrida eleitoral, foi preso, em 2018, suspeito de corrupção em uma suposta transação de compra de um Sítio, e retirado do pleito eleitoral. Concomitantemente ao início do novo processo eleitoral, o PMDB, que viria ser renomeado para MDB, também foi fustigado pelo avanço das investigações de corrupção, conseguindo apenas 1% dos votos no pleito.

Sete debates na TV aberta marcaram o processo eleitoral; o candidato do PSDB Geraldo Alckmin (governador de São Paulo, estado tradicionalmente governado pelo PSDB) deveria ser então o grande favorecido pelas circunstâncias, eliminados os maiores concorrentes, e gozando de um tempo de TV maior, oriundo de acordos feitos com partidos do centrão. O candidato Haddad do PT, entrara tarde na campanha (substituiu Lula, que teve candidatura impugnada por causa de condenações judiciais). Em relação aos outros candidatos, as pesquisas de intenção de votos apontaram o nome de Jair Messias Bolsonaro, candidato de pouca expressão no congresso, que transitava entre os partidos menores, como possuidor de 15% das intenções. Bolsonaro, como nunca ocupou cargos no governo, não podia ser até então, associado a nenhum dos escândalos de corrupção ou situações econômicas ruins, angariando para si o discurso anticorrupção e “montando na onda do antipetismo”, como definido pelos meios de comunicação da época. Mas pesava contra ele seus elogios a torturadores da Ditadura Militar e seu despreparo. Entretanto, seu mal desempenho nos debates foi superado por uma inesperada tentativa de assassinato, que o impossibilitou de ir aos confrontos e que colocou em seu favor a solidariedade popular. Bolsonaro foi então para o segundo turno contra o candidato do PT, o vencendo com 55% dos votos contra 45%.

Bibliografia:

ANDERSON, Perry. Brasil à parte: 1964 – 2019. São Paulo: Boitempo, 2020.

SINGER, André. O lulismo em crise: um quebra-cabeça do período Dilma (2011 – 2016). São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

Arquivado em: Brasil Republicano