Era dos Reis

É denominada de Era dos Reis a terceira e última das fases de presença do povo hebraico na região da Palestina (Canaã). Tal era se inicia com a escolha do fazendeiro benjamita Saul para ser o governante de todo o povo de Israel, chegando ao fim em 70 d.C. com a destruição de Jerusalém pelo general romano Tito, causando a expulsão dos hebreus da Palestina. Tal acontecimento é chamado de Diáspora, e a partir desse fato, os judeus se espalhariam pelo mundo todo, até que, no século XIX, a doutrina do Sionismo reuniu grande parte do povo no objetivo de restaurar o Estado de Israel, o que ocorreria de fato em 1948.

Terminada a Era dos juízes e instalado o primeiro rei hebreu, persistia a ameaça dos filisteus, que lutavam pelo completo controle do território da Palestina. A monarquia foi instituída exatamente para que os hebreus pudessem centralizar o poder político nas mãos de uma só pessoa, tendo mais força para enfrentar os adversários. O primeiro rei, Saul, porém, não teve sucesso em enfrentar os inimigos e suicidou-se ao lado de seu escudeiro durante uma batalha, ao ver que não conseguiria derrotar seus adversários. O sucessor de Saul foi Davi, que mostrou eficiência nos combates militares ao vencer os inimigos, fortalecendo e estabilizando a civilização hebraica, conseguindo ainda expandir seus domínios. Foi em seu reinado que Jerusalém se tornou a capital do reino.

Em 966 a.C., o filho de Davi, Salomão, assume o trono. Salomão ficou conhecido pela imensa sabedoria e pela fortuna que adquiriu. Segundo a Bíblia, chegou a ter 700 esposas e 300 concubinas. Foi responsável pela ampliação do comércio, construiu várias obras públicas, como o famoso templo de Jerusalém. A exploração do trabalho das classes menos favorecidas aliado aos altos impostos, porém, tornavam a situação de algum modo instável na época da morte de Salomão. O descontentamento se tornou claro no momento da sucessão do rei, e o resultado foi que o reino acabou por se dividir em dois. A partir de então, surgiram o Reino de Israel e o Reino de Judá, com as capitais em Samaria e Jerusalém , respectivamente. O Reino de Israel desaparece com a invasão assíria em 721 a.C. O território foi devastado e seus habitantes foram dispersos ou escravizados, sendo substituídos por outras populações. O Reino de Judá resistiria mais um pouco, tornando-se vassalo dos assírios, mas termina se revoltando contra os novos senhores, e são também derrotados, com sua população levada cativa para a Babilônia. Haveria novo retorno a Canaã, a reconstrução da cidade e do templo. Os hebreus voltariam a ser conquistados, dessa vez pelos gregos, conquistando um breve período de independência com a proclamação do Reino Asmoneu, de cultura greco-judaica, mas enfim, se tornaria domínio romano, culminando em 70 d.C. na destruição de Jerusalém e na Diáspora hebraica.

Bibliografia:
DE ARAÚJO, Adriene Pereira. Hebreus. Disponível em: <http://www.juliobattisti.com.br/tutoriais/adrienearaujo/historia006.asp >. Acesso: 04/02/13.