Fim do Comunismo

Mestrado em História (UFJF, 2013)
Graduação em História (UFJF, 2010)

O Fim do Comunismo é popularmente identificado com a queda do Muro de Berlim em 1989.

Desde que a Rússia passou pela Revolução Russa, em 1917, o Comunismo ganhou notória força nos discursos por todas as partes do planeta. A Rússia tornou-se um país dito comunista e influenciou vários outros a seguir a mesma doutrina. Muitos intelectuais aderiram ao comunismo acreditando ser a melhor forma de vida para a sociedade.

A partir da década de 1930 o comunismo ganhou identificação como doutrina subversiva, uma vez que ameaçava a doutrina capitalista que tinha e tem até hoje os Estados Unidos como grande representante. A Segunda Grande Guerra Mundial foi o evento que definiu o rumo do comunismo no mundo, como um inimigo feroz dos capitalistas. A guerra que se encerrou em 1945 foi vencida pelos Estados Unidos e pela União Soviética, embora o exército e a terrível ideologia de Hitler tivessem sido vencidos o mundo não estava livre de guerras. Os dois países vencedores se lançaram então em um novo confronto, que desta vez ia muito além do campo de batalha, era pautado pelas disputas ideológicas.

Os Estados Unidos representavam e defendiam a ideologia capitalista, enquanto a União Soviética representava e defendia a propagação da ideologia comunista. Como ambos os vencedores da Grande Guerra dispunham de armamentos capazes de aniquilarem-se, o confronto armado direto entre as duas potências que passaram a dominar o mundo nunca aconteceu, pelo medo da mútua destruição.

O comunismo então passou a ser cassado radicalmente nos países que seguiam o pensamento capitalista. Os adeptos da ideologia comunista eram tidos como subversivos e enfrentavam punições extremas quando apreendidos.

Muito embora seja discutível se já houve realmente experiência comunista no mundo, isso porque a definição teórica do comunismo não corresponde exatamente aos eventos que ocorreram na prática, após a Segunda Guerra Mundial o mundo se tornou bipolarizado. A maior representação dessa divisão foi a construção do Muro de Berlim, o qual cortava a cidade alemã com o mesmo nome, estabelecendo a parte ocidental como capitalista e a parte oriental como comunistas. Era sumariamente proibida a passagem de pessoas do lado ocidental para o lado oriental do muro, apenas em situações devidamente justificadas.

O Muro de Berlim representou durante muito tempo a presença do comunismo no mundo, por isso é a sua queda, em 1989, que é indicada como o marco do Fim do Comunismo no planeta. A queda do muro naquele ano simbolizou a queda também da grande potência comunista, a União Soviética, que não mais tinha a força de outrora para se sustentar. Durante toda a década de 1980 a potência comunista enfrentou graves problemas dos mais variados tipos, fazendo ruir a estrutura que sustentou durante várias décadas. A vitória do capitalismo permitiu que esta ideologia entrasse no território soviético, fragmentando a antiga União Soviética, e permitindo que os países aderissem ao novo sistema.

O capitalismo hoje é o sistema dominante no mundo, mas ainda existem algumas experiências comunistas. Por esse motivo, datar o fim do comunismo como a queda da União Soviética e do Muro de Berlim não é uma afirmação muito correta. Por outro lado, é bem verdade que não há mais um conflito entre capitalismo e comunismo no mundo como aconteceu durante a Guerra Fria, os países que insistem no sistema dito comunista não representam potências mundiais. Atualmente, China, Coréia do Norte e Cuba são os países comunistas de maior destaque. A China, entretanto, desenvolve um sistema diferenciado, que abre oportunidades para o mercado capitalista. Cuba, tradicional país comunista, demonstra indícios de se abrir ao mundo capitalista com a saída do governante Fidel Castro. Já a Coréia do Norte é o país mais radical de todos, vive sob o governo de um ditador e não aponta para flexibilizações. Deste modo,  o grande comunismo acabou com a queda da União Soviética, mas experiências comunistas continuam presentes em alguns países.

Fontes:
http://www.euranet.eu/por/Dossier/A-queda-do-Comunismo
http://pt.wikipedia.org/wiki/Comunismo
http://alas.no.sapo.pt/ofim.htm

Arquivado em: Idade Contemporânea