Guerra da Ossétia do Sul

Mestrado em História (UFJF, 2013)
Graduação em História (UFJF, 2010)

A Guerra da Ossétia do Sul foi um conflito envolvendo Ossétia do Sul e Geórgia, em 2008.

A Ossétia do Sul integrou durante a Guerra Fria a União das Repúblicas Socialistas e Soviéticas. Como integrante dos países do Leste Europeu, foi adepta do socialismo durante o período bipolarizado do mundo. Com a decadência da União Soviética e do Socialismo na década de 1980, ambos guinaram para o final. Em 1989, após a queda do Muro de Berlim, a Ossétia do Sul declarou sua independência em relação à União Soviética.

Mais grave que a declaração de independência à União Soviética, foi a declaração semelhante em relação à Geórgia. A Ossétia do Sul era uma região reconhecida por vários países como integrante do território da Geórgia. Mas, aproveitando o rompimento com a União Soviética, a Ossétia do Sul também declarou independência à República Socialista Soviética Georgiana. A postura da Ossétia do Sul gerou um conflito imediato com a Geórgia que se estendeu por três meses. Em 1990, Ossétia do Sul e Geórgia geram novo conflito, só que desta vez mais extenso. O novo embate se prolongou até 1992, só chegou ao fim porque Ossétia do Sul, Geórgia e Rússia acertaram a criação de uma força de paz.

Assim, desde a queda da União Soviética, Ossétia do Sul representou uma região tensão no Leste Europeu por causa do interesse da Geórgia em continuar com a soberania do local. Em abril de 2008, o tenso clima da região se acentuou. A Geórgia argumentou que a Ossétia do Sul havia derrubado um avião tripulado em seu território. Várias acusações e provocações se seguiram de ambos os lados, a Rússia interveio e negou os acontecimentos, mas a instabilidade era latente.

A Guerra da Ossétia do Sul começou em agosto de 2008 como fruto do crescente clima de tensão na região. A Geórgia se empenhou em reconquistar a soberania na região, sobretudo porque esta cresceu em importância estratégica na rota do transporte energético. Com a guerra em vigência, a Rússia passou a apoiar a Ossétia do Sul e os Estados Unidos apoiaram a Geórgia, embora os estadunidenses negassem qualquer ligação com o conflito.

A capital da Ossétia do Sul foi palco de vários tiroteios e bombardeios no mês de agosto de 2008. A Geórgia investiu numa ofensiva que representou uma declaração de guerra. A comunidade internacional se pronunciou contra o conflito. A Organização das Nações Unidas tentou encerrar a guerra, mas não obteve êxito. A tensão era tamanha que a Rússia recusou um pedido de cessar-fogo dos georgianos no dia 11 de agosto, pois alegaram que mesmo com um pedido de trégua a Geórgia continuava usando força militar.

Só no final do mês de agosto, no dia 26, que a Rússia decidiu reconhecer Ossétia do Sul e também Abecásia como regiões independentes. Em resposta, a Geórgia rompeu as relações diplomáticas com Moscou e, passado o conflito, a tensão ganhou mais espaço para crescer entre os países da região.

Fontes:
http://meridiano47.info/2008/08/31/guerra-na-ossetia-do-sul-a-georgia-como-foco-de-conflito-entre-a-russia-e-o-ocidente-por-rodrigo-wiese-randig/
http://resistir.info/russia/ossetia_08ago08.html
http://www.marxist.com/guerra-ossetia-do-sul.htm
http://igniteapparel.wordpress.com/2008/08/08/war-breaks-out-in-russia-us-urges-cease-fire/

Arquivado em: Idade Contemporânea