Ossétia do Sul

Ossétia do Sul (Xussar Iryston em osseto) é uma república separatista da Geórgia, de reconhecimento internacional bastante limitado.

Os ossetas descendem do povo alano, que viviam originalmente em território russo e que durante a Idade Média foram expulsos de suas terras pelos mongóis, indo se instalar numa área que hoje é parte da Rússia (Ossétia do Norte) e Geórgia (a separatista Ossétia do Sul). Sua cessão do território georgiano ocorreu a partir de um referendo realizado a 12 de novembro de 2006, onde cerca de 98% dos participantes manifestaram seu apoio à independência. Tal referendo, porém, é alvo de grande controvérsia, pois dele participaram quase que somente ossetas e russos que vivem na região. Os georgianos, por sua vez, boicotaram a votação, e por causa disso, a consulta não é aceita pela República da Geórgia, e de fato, pouquíssimos países independentes além da Rússia decidiram por reconhecer o novo estado - Nicarágua, Venezuela, Nauru e Tuvalu. Além deles, outros dois estados de reconhecimento parcial consideram a Ossétia do Sul um país emancipado, que são a Abecásia, a outra região separatista da Geórgia e a República Árabe Saaráui Democrática, antiga colônia espanhola no norte da África cuja anexação pelo Marrocos em 1976 não é oficialmente reconhecida pela Organização das Nações Unidas (ONU). Finalmente mais outros dois estados sem reconhecimento internacional consideram a Ossétia do Sul independente, sendo um deles Nagorno-Karabakh, outra área separatista no Cáucaso, parte integrante da República do Azerbaijão, cuja população é de origem armênia e que se declara uma república independente; o segundo é a Transnístria, parte integrante do território da República da Moldávia, mas povoada em sua maioria por ucranianos e russos.

Conflitos anteriores à independência da Geórgia em 1991 foram raros, e talvez o único episódio ocorreu no período em que a Geórgia declarou-se independente da Rússia, de 1918 a 1921. A partir de 1988, a Frente Popular da Ossétia do Sul começou a atuar, pregando a independência da área. Uma república independente foi proclamada em 1990, e os ossetas passaram a boicotar a assembleia nacional georgiana. O segundo presidente georgiano, o estadista Eduard Shevardnadze, conseguiu abafar o movimento, mas com sua queda, em um momento de grave crise social e econômica, o nacionalismo osseta ressurgiu com força suficiente para lutar pela separação da Ossétia do Sul. Assim, realizou-se o referendo de 2006 e a República da Ossétia do Sul foi declarada, com sua capital em Tskhinvali e como presidente Eduard Kokoity, que prega uma adesão da Ossétia do Sul à Federação Russa .

Em 2008 os georgianos atacaram a região para sufocar o movimento, mas a Rússia interveio a favor dos ossetas. A situação ainda permanece em um impasse, pois a Geórgia recusa-se a reconhecer a independência da Ossétia e os russos não retiram seu apoio político e militar aos separatistas.

Bibliografia:
vários artigos(em inglês). Disponível em <http://www.republicofsouthossetia.org/>. Acesso em: 16 abr. 2012.

Regions and territories: South Ossetia(em inglês). Disponível em <http://news.bbc.co.uk/2/hi/europe/country_profiles/3797729.stm>. Acesso em: 16 abr. 2012.

South Ossetia(em inglês). Disponível em <http://www.globalsecurity.org/military/world/war/south-ossetia.htm>. Acesso em: 16 abr. 2012.

Arquivado em: Europa